Empresa chinesa, ZTE, reconheceu o fornecimento ilegal de tecnologias ao Irã

Nos siga noTelegram
A empresa Chinesa, ZTE, reconheceu de modo oficial perante um tribunal norte-americano ter fornecido de forma ilegal seus produtos e tecnologias ao Irã, informou a agência Reuters.

A bandeira americana em um veículo vibra quando o sol se põe atrás da cúpula do Capitólio dos EUA nas horas antes de o presidente Barack Obama entregar o discurso do Estado da União a uma sessão conjunta do Congresso em Washington em 12 de janeiro de 2016 - Sputnik Brasil
Futuro do acordo nuclear com o Irã divide EUA
No início de março a ZTE concordou em pagar cerca de 1 bilhão de dólares de multa por ter violado a legislação dos EUA sobre fornecimento de tecnologias ao Irã. Segundo a Reuters, a empresa assumiu a culpa no âmbito de um acordo entre a companhia e as autoridades dos Estados Unidos.

ZTE é o quarto maior fornecedor de smartphones nos EUA e pagará um multa de 892 milhões de dólares. Além disso, a empresa concordou em pagar 300 milhões de dólares adicionais se não adotar medidas, contempladas pelo acordo com o governo norte-americano, nos próximos sete anos. 

Desde 2010, ZTE revende o equipamento da Cisco nos mercados emergentes na qualidade de distribuidor oficial da empresa americana. Em março de 2017, a agência Reuters, citando fontes anônimas, revelou que a ZTE vendia o equipamento da Cisco, entre outros países, também no Irã, o que seria vedado por Washington. Além disso, a agência revelou que ZTE vendia ao Irã outros tipos de equipamentos norte-americanos “proibidos”, aos quais tinha acesso.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала