Como Trump poderia estabelecer diálogo com Rússia?

Nos siga noTelegram
Se o presidente dos EUA, Donald Trump, quer rever a estratégia dos Estados Unidos na Síria e cooperar com a Rússia, é necessário dar-lhe uma chance, diz o pesquisador sênior do Instituto de Pesquisas de Relações Internacionais, Nikolas Gvosdev, em um artigo publicado na The National Interest.

"O presidente quer explorar novos cenários na Síria. Os russos deixaram claro que eles estão prontos para o diálogo. Não é necessário ter um acordo, mas isso não significa que não se deve ao menos tentar", diz o especialista.

Gvosdev acredita que, em se tratando das questões sírias, a administração Trump está pronta para tentar voltar a cooperar com a Rússia. Tal diálogo não será fácil, mas ninguém disse que seria, afirma ele. Em particular, os desacordos estarão com certeza ligados a quem pode ser considerado terrorista ou oposição moderada. As regras das ações militares podem se tornar um obstáculo também, pois cada país possui suas vertentes.

A bandeira nacional dos EUA voa sobre o Departamento de Estado em Washington 24 de marco de 2015 - Sputnik Brasil
Orçamento em construção: Trump está disposto a cortar verba do Departamento de Estado
No entanto, essas diferenças podem ser superadas durante as conversações, diz o especialista. A cooperação mais estreita deverá ser acompanhada pelos esforços diplomáticos para estabilizar a situação no pós-guerra na Síria. Os EUA, em particular, terão que aceitar o fato de que o líder sírio, Bashar Assad, vai permanecer no poder.

Gvosdev salienta que todas as ideias de um diálogo deste tipo "estão afogadas em burocracia". A nova administração ainda não reviu oficialmente a sua atitude à questão síria, e, portanto, age "no piloto automático" de acordo com as diretrizes da administração Obama, que, como observado pelo especialista, dedicou a mesma força tanto à luta contra o regime sírio quanto à luta contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em muitos outros países).

O presidente norte-americano, no entanto, pode mudar a estratégia dos EUA na Síria. Embora, de acordo com a edição norte-americana, o Pentágono recomendou não cooperar com a Rússia sobre esta questão, Trump como comandante-em-chefe pode discordar ou consultar especialistas independentes.

Ao mesmo tempo, é possível que os funcionários da Defesa, que seguem a atitude do governo Obama quanto à situação na Síria, convençam Trump de que ele esteja buscando em vão a colaboração com a Rússia, diz Gvosdev.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала