Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Iraque: projeto de lei propõe incentivo financeiro aos homens por poligamia

© AFP 2021 / WAKIL KOHSARIn this photograph taken on October 10, 2014, an Afghan groom (C) talks with his bride during a mass wedding ceremony in which one hundred couples were married on the outskirts of Kabul
In this photograph taken on October 10, 2014, an Afghan groom (C) talks with his bride during a mass wedding ceremony in which one hundred couples were married on the outskirts of Kabul - Sputnik Brasil
Nos siga no
A deputada iraquiana, Jamila al Abidi, apresentou um polêmico projeto de lei, que contempla o pagamento de incentivo financeiro estatal aos homens que casarem com mais de uma mulher.

Véu - Sputnik Brasil
Iraque: ativistas ameaçam armar assassinato de mulheres caso não usem 'roupas muçulmanas'
Segundo a deputada, a medida visa dar apoio à viúvas e mulheres separadas, que já somam 1.5 milhões no país.

A iniciativa provocou uma forte reação nas redes sociais, dividindo as opiniões no país. 

A ativista de direitos humanas, Bushra al Abidi, disse à Sputnik que não há necessidade de adotar novas leis sobre o tema, pois o artigo 188 da constituição de 1959 garante o direito à poligamia. Se um homem pode arcar, financeiramente, com uma segunda esposa, e desde que a primeira esposa não seja contra, não há problemas para consumar esse tipo de matrimônio.

"Quanto à medida em si, que contempla um incentivo financeiro, isso parece muito com comércio de escravos. Uma mulher só aceitaria esse tipo de casamento por necessidade e isso fere a dignidade humana. É preciso solucionar as causas do problemas. Ou seja, é preciso dar às mulheres as oportunidades para ganhar a vida, para que elas não precisem se casar por necessidade financeira", afirmou Bushra al Abidi.

Segundo a ativista, o projeto de lei é eleitoreiro e nunca será aprovado na realidade. 

Agentes das forças pró-governamentais sírias na cidade de Aleppo, Síria, 21 de dezembro de 2016 - Sputnik Brasil
Como se desenvolveram em 2016 os principais conflitos no Oriente Médio e Ásia?
A deputada do parlamento iraquiano, Wahda al Jumeili, concorda com a ativista de direitos humanos. Segundo ela, esse tipo de lei não faz sentido, considerando a situação de instabilidade geral no país. Em entrevista à Sputnik, a deputada declarou que todos os esforços da população devem estar voltadas para o desenvolvimento do país após a vitória sobre o Daesh.

Já o ex-diretor do departamento de atenção à família e crianças da Universidade Árabe, Abla Ibrahim, disse à Sputnik que projetos de lei e iniciativas semelhantes são comuns durante longos períodos de guerra. "Propostas semelhantes já surgiram na Europa, durante a Segunda Guerra Mundial", explicou o acadêmico.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала