Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

'Dissolução oportuna da OTAN poderia ter virado uma das maiores contribuições para a paz'

© REUTERS / Ints KalninsTropas da Lituânia ao lado de outras forças de 11 países da OTAN, 2 de dezembro de 2016
Tropas da Lituânia ao lado de outras forças de 11 países da OTAN, 2 de dezembro de 2016 - Sputnik Brasil
Nos siga no
A posição agressiva da OTAN no palco intencional coloca em risco a paz no continente europeu, considera analista alemão.

Jakob Reimann expressa a opinião, no seu artigo publicado na revista Der Freitag, de que, desde o fim da Guerra Fria, a Aliança "está passando por uma crise de identidade".

O autor sublinha que, depois da desintegração do Pacto de Varsóvia, o bloco se tornou "um resquício do passado". Na realidade, a dissolução oportuna da OTAN poderia ter virado uma das maiores contribuições para a paz.

"Tivemos a única chance na nossa história de começar o desarmamento total, iniciar a desmilitarização universal", escreve Reimann. Mas a Aliança rejeitou o "caminho pacífico" e isto é confirmado pelos números: os países do bloco são responsáveis por 60% de todos os gastos militares do mundo.

Militares russos em treinamento na região de Kaliningrado - Sputnik Brasil
Habitantes de 4 países da OTAN prefeririam estar sob a proteção da Rússia
O observador político alemão também toca no assunto da expansão da OTAN para Leste. De acordo com ele, esta expansão "não tem nada a ver com a proteção da democracia ou dos valores liberais", tem, sim, um caráter agressivo. O autor lembra que os políticos ocidentais prometeram às autoridades soviéticas que a OTAN não se expandiria para Leste. No fim dos anos 90 ficou claro que essas promessas deveriam ter sido consolidadas em acordos internacionais.

Reimann acredita que a Aliança busca premeditadamente pretextos para o agravamento das relações com a Rússia. A cooperação militar com a Geórgia e Ucrânia, bem como a inclusão dos países balcânicos na sua esfera da influência provocam uma preocupação natural por parte das autoridades russas. Contudo, frisa o autor, não se trata da "proteção dos direitos humanos" ou "das liberdades civis". No caso dos países dos Bálcãs, em primeiro lugar, se trata da hegemonia do bloco na região mediterrânica, opina o autor.

Em conclusão, o colunista da Der Freitag aponta mais uma vez para a "natureza agressiva" da Aliança. Isso não obstante o documento fundamental do bloco — o Tratado do Atlântico Norte (1949) —estabelecer que os países-membros são obrigados a contribuir por todos os meios para a consolidação da paz e segurança mundiais.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала