'Coreia do Norte deve copiar a experiência soviética na guerra fria'

© REUTERS / KCNALançamento de mísseis na Coreia do Norte
Lançamento de mísseis na Coreia do Norte - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Coreia do Norte não se deve apressar com o desenvolvimento de mísseis balísticos intercontinentais para solucionar o problema das sanções internacionais, nem para começar a negociar com Washington acerca das armas nucleares, afirma o especialista Lee Suhyeong.

O analista adiantou que Pyongyang talvez tenha que aplicar a experiência da URSS neste aspecto. Hoje em dia, o programa de mísseis se baseia na oposição às alianças dos EUA com países da região tais como o Japão, a Coreia do Sul e outros, enquanto o território americano está fora do alcance dos mísseis norte-coreanos.

Avião atravessando a cidade de Pyongyang, Coreia do Norte, 16 de outubro de 2016 - Sputnik Brasil
'Turistas na Coreia do Norte se surpreendem por todos terem o necessário e serem felizes'
As declarações de Pyongyang sobre os avanços no desenvolvimento de mísseis capazes de levar ogivas nucleares até ao território dos EUA, de fato podem pôr em perigo os próprios norte-coreanos.

Em uma entrevista à Sputnik, Lee explicou que neste caso a Coreia do Norte poderia adotar a experiência da União Soviética, recordando que quando Washington já dispunha de armas nucleares capazes de alcançar o território soviético, Moscou não tinha a possibilidade de realizar um ataque de resposta que fosse tão forte como o dos EUA.

Assim, ela começou desenvolvendo mísseis de curto e médio alcance para ameaçar os aliados dos Estados Unidos que estavam situados mais perto da URSS. Isto preveniu um ataque contra a União Soviética e, entretanto, permitiu que Moscou desenvolvesse suas armas nucleares estratégicas.

Logo depois, os engenheiros soviéticos criaram mísseis balísticos capazes de atacar o território americano e, a partir dos anos 70, os EUA e a URSS começaram negociando a limitação de armas estratégicas, ou seja, os acordos SALT (Strategic Arms Limitation Talks em inglês). Assim, Moscou evitou um ataque atômico preventivo e igualou as suas possibilidades com as de Washington em caso de um conflito nuclear.

Conselho de Segurança da ONU - Sputnik Brasil
Conselho de Segurança da ONU promete 'medidas significativas' contra Coreia do Norte
Lee Suhyeong assinala que hoje em dia os Estados Unidos necessitam garantir a segurança de seus aliados antes de levar a cabo um ataque preventivo contra Pyongyang. A não ser que os norte-americanos o consigam, este ataque seguirá sendo impossível.

Ou seja, prosseguiu, antes que a Coreia do Norte conclua a criação de mísseis balísticos intercontinentais, o país deve colocar seus mísseis de curto e médio alcance capazes de atacar os territórios dos aliados.

"[A Pyongyang] lhe bastaria armar com ogivas nucleares seus mísseis Rodong e Musudan para que estes ameacem os aliados dos EUA — Japão, Coreia do Sul e outros — impedindo efetivamente a possibilidade de um ataque preventivo por parte dos EUA contra [a Coreia do Norte]", disse.

O especialista acrescentou que somente assim Pyongyang terá tempo suficiente para finalizar o desenvolvimento dos seus mísseis intercontinentais. No futuro, o país poderia elaborar tecnologias de mísseis balísticos utilizando este "dilema de aliança", concluiu.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала