Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Por que empresários italianos estão indo a Donbass?

© Sputnik / Igor Maslov / Abrir o banco de imagensYenakiieve metallurgical plant in Donetsk region
Yenakiieve metallurgical plant in Donetsk region - Sputnik Brasil
Nos siga no
De 21 a 23 de fevereiro, representantes da comunidade empresarial e de investimento italiana vão visitar a República Popular de Donetsk para conhecer a situação no terreno e desenvolver contatos dentro dos círculos empresariais locais. Antes da visita, a Sputnik Italia se reuniu com o chefe da delegação para saber o que eles esperam da viagem.

De acordo com a mídia local, eles estão "preparados para se reunir com representantes de vários ministérios e departamentos da República para discutir possíveis formas de cooperação".

A situação em Donbass agravou-se drasticamente nos últimos tempos. Quem é culpado por isso? - Sputnik Brasil
Presidente Poroshenko, o pequeno desastre para Donbass
Falando à Sputnik Italia, o chefe da delegação, Gianmatteo Ferrari da Associação Lombardia-Rússia contou o propósito da viagem.

"Em Novembro, eu e o Secretário da nossa Associação, Luca Bertoni, fizemos parte da delegação organizada pela Associação Veneto — Rússia (Associazione Veneto-Russia) para os empresários da região no Nordeste da Itália. Queríamos repetir a iniciativa dos empresários da região para ajudar os moradores de Donetsk e Lugansk a restaurar as empresas que não têm mais", disse ele à Sputnik.

Embora as duas autoproclamadas repúblicas tenham minas de carvão, usinas siderúrgicas e usinas elétricas em seus territórios, elas não têm experiência suficiente, por exemplo, na agricultura. Daí a ideia da associação ajudá-los e trazer especialistas neste domínio para que eles possam investir em suas empresas e ajudar as pessoas locais a abrir negócios próprios.

Ferrari afirma que o investimento poderia acontecer em fábricas de queijo, onde a população local poderia processar novamente leite ou em estufas, onde poderiam cultivar legumes e plantas. Ele ressalta que serão instalações de produção separadas e não filiais das empresas dos visitantes, pois os produtos produzidos nas fábricas das duas repúblicas permanecerão lá dentro e não serão exportados para a Europa.

Ele destacou os benefícios fiscais e legais em Donbass, sobre os quais eles foram informados na primeira visita.

"Disseram-nos que os empresários estrangeiros que quiserem investir nas duas repúblicas estão isentos de impostos durante 20 anos, talvez até mais", disse.

Tendo em mente que a economia das repúblicas está começando seu crescimento a partir de zero, os salários e o custo de vida por lá serão bastante baixos. Assim, mesmo que a viagem seja motivada por uma decisão econômica, os empresários se mostram dispostos a ajudar os locais a caminhar com os próprios pés. Benefícios fiscais desempenham o seu papel, mas estão longe de ser a principal razão para a viagem.

Ele também comentou sobre a questão das sanções anti-russas, observando que esta poderia ser uma solução para exportar produtos para italianos à Rússia, ignorando o embargo alimentar.

A agricultura italiana, disse ele, perdeu até 5 bilhões de euros da proibição de exportação.

"Se alguém lançar a produção dos artigos agrícolas aprovados em uma das duas repúblicas, será possível de exportá-los para a Rússia. Mas este não é o nosso principal objetivo, é apenas uma das oportunidades que poderíamos ter", contou ele.

Donetsk - Sputnik Brasil
Assassinato de líder independentista em Donetsk pode agravar situação no leste da Ucrânia
O empresário no entanto observou que é esta é uma viagem puramente de familiarização. Os delegados vão ver por si mesmos a situação no terreno e tentarão avaliar o que deve ser feito para melhorá-lo. Se satisfeitos, eles vão organizar uma segunda viagem para a região para discutir cooperação.

Devido à apertada janela de tempo, os empresários não visitarão Lugansk desta vez, mas uma missão à República no futuro não está descartada.

A viagem, porém, já cobra seu preço. Desde novembro, os empresários foram parar na lista negra da Ucrânia, reservada a quem visita as duas repúblicas. Autoridades ucranianas, porém, não entraram em contato para dissuadi-los da missão no fim do mês.

"Mesmo que eles tentassem nos pressionar, não nos teria impedido, já que não estamos preocupados com isso", ele finalmente afirmou.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала