- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Embaixador português na Rússia explica como Portugal pode ligar Brasil e OTAN

© AFP 2022 / FRANCISCO LEONGFuzileiros portugueses tomam parte dos exercícios da OTAN Trident Structure 2015, em 100 km de Lisboa
Fuzileiros portugueses tomam parte dos exercícios da OTAN Trident Structure 2015, em 100 km de Lisboa - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Hoje (14), na sede da agência russa Rossiya Segodnya, foi aberto o 6º Modelo Internacional da ONU do qual participou, dando uma palestra sobre o balanço da diplomacia portuguesa, o embaixador de Portugal na Rússia, Mário Godinho de Matos. A Sputnik Brasil conversou com o diplomata sobre os temas mais recentes ligados ao mundo lusófono.

Sputnik: Há dois dias, houve uma reunião entre os ministros da Defesa português e brasileiro, durante a qual o titular da pasta brasileiro disse que Portugal era, vamos dizer, uma plataforma para se aproximar à OTAN. Então, como o senhor avalia as perspectivas da cooperação na área de defesa e segurança?

Mário Godinho de Matos: Exatamente, nós notamos essas afirmações que foram feitas há poucos dias. Como sabe, entre Portugal e o Brasil há um largo espectro de relações a todos os níveis: econômicos, culturais, políticas também… A área de defesa é uma área em que também se pode fazer progressos e avanços.

Presidente de Portugal Marcelo Rebelo de Sousa fala na festa do Dia Nacional de Portugal em Paris, França, 10 de junho de 2016 - Sputnik Brasil
Presidente de Portugal comenta a importância da nomeação de Guterres
Portugal, como sabe, é um país-fundador da NATO [OTAN], ou seja, somos membros desta organização desde o início da sua constituição. E dados os laços tão fortes que temos com o Brasil, obviamente que estaremos sempre num algo de ligação entre aquilo que o Brasil quer fazer em termos da defesa e aquilo que nós, inseridos na Europa, numa estrutura da defesa europeia e transatlântica, também podemos propor.

S: Há pouco, o primeiro-ministro português António Costa foi à República Centro-Africana onde ficam 160 militares portugueses que tomam parte de uma missão das Nações Unidas. Como o senhor embaixador poderia comentar e explicar e importância desta missão para o seu país?

MGM: As missões das Forças Armadas portuguesas no estrangeiro e nesse tipo de missões de paz como essa que referiu, na África, e outras também — temos colaborado nos Bálcãs, no Médio Oriente — são um vetor muito importante da nossa política externa, porque, justamente como membros da NATO [OTAN] e da União Europeia, fizemos um esforço muito grande, também do ponto de vista orçamental, para estar presente no maior número de frentes possíveis de luta contra o terrorismo, contra, enfim, as situações como essa que referiu [guerra civil na República Centro-Africana] em que se deve garantir o respeito pelos direitos humanos e, portanto, essa é uma frente que temos.

Temos dado muita atenção [a estes assuntos] e participamos em várias áreas no mundo com esse tipo de participação das nossas Forças Armadas.

S: António Guterres assumiu funções há pouco, e já houve uma situação em que o secretário-geral [da ONU António Guterres] propôs a candidatura de Salam Fayyad, palestino, para o posto do enviado especial na Líbia. Esta candidatura foi rejeitada, rechaçada primeiramente pelos EUA. Como o senhor embaixador pode comentar a situação, quais são os obstáculos neste caminho, digamos, e como pode avaliar o empenho que António Guterres já fez na ONU?

MGM: Bem, como pode imaginar, para mim é muito difícil estando aqui, em Moscovo [Moscou], comentar uma iniciativa do secretário-geral das Nações Unidas. Enfim, sendo [ele] cidadão português e hoje [em dia ele é também] secretário-geral das Nações Unidas quem tenta interpretar, no âmbito das Nações Unidas, quais são as forças que estão presentes.

Vista geral da sede das Nações Unidas (ONU), em Genebra - Sputnik Brasil
EUA bloqueiam iniciativa de Guterres para nomear palestino como enviado da ONU
Portanto, não conheço os detalhes dessa nomeação, nem como é que ela se desenvolveu, apenas posso comentar que, como comentou aqui o vice-ministro [das Relações Exteriores russo] Gatilov, as Nações Unidas são uma realidade muito complexa, onde se cruzam muitos interesses nacionais de diversos países e isso é visível em todos os níveis — no Conselho de Segurança, na Assembleia Geral. E é dentro dessa complexidade "onusiana", como se costuma dizer, que todos esses processos se desenvolvem, mas eu sinceramente não conheço os detalhes para comentar.

S: Também há poucos dias, os ministros da Defesa italiana, português, espanhola e francês escreveram uma carta conjunta ao secretário-geral da OTAN, dizendo que queriam um reforço, vamos dizer, do flanco Sul da OTAN. Então, será que isto pode ser ligado, por exemplo, às preocupações dos países europeus com a nova administração norte-americana, com Trump que várias vezes questionou a eficácia da OTAN? Qual pode ser o motivo de tais ações?

MGM: Não, eu penso que essa é uma questão antiga. Eu próprio trabalhei na delegação portuguesa na NATO [OTAN] durante vários anos. E já nessa altura tínhamos uma relação com o flanco Sul da NATO [OTAN], ou seja, com os países do Magreb [região africana que está limitada pelo Mar Mediterrâneo a norte e fica em proximidade dos respectivos países europeus]. Chamava-se então essa iniciativa [de] Diálogo Mediterrâneo.

O porta-aviões francês Charles de Gaulle no Mar Mediterrâneo - Sputnik Brasil
Países da Europa do Sul pedem que OTAN aumente seu papel no Mediterrâneo
Agora tem outros nomes, mas a ideia é a mesma: é reforçar o flanco Sul da NATO [OTAN]. Então, há um flanco Leste, como sabe, e um flanco Sul. Evidentemente que estes países que referiu, entre os quais o meu, Portugal, Espanha, Itália, França e talvez Grécia também, temos uma preocupação muito específica com o terrorismo e com instabilidade, melhor dizendo, que hoje em dia existe em vários países na outra costa do Mediterrâneo. Está muito perto de nós. É um assunto que nos diz diretamente respeito. E essa manifestação dos ministros da Defesa foi justamente para, junto do secretário-geral da NATO [OTAN], frisar que esse era também um aspecto muito importante.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала