Cuidado com as moscas! Elas são mais perigosas do que você imaginava

© flickr.com / Jacob MartinMosca (arquivo)
Mosca (arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Uma equipe internacional de cientistas revelou que as moscas propagam o gene responsável pela resistência a antibióticos, informa New Scientist.

Pesquisadores chineses e norte-americanos descobriram que cerca de 1% dos pacientes internados em duas grandes cidades da China possui o gene de resistência ao antibiótico bactericida colistina, apesar de ele não ter sido utilizado em seu tratamento.

Borboleta Neopalpa donaldtrumpi - Sputnik Brasil
Espécie de borboletas recebe nome de Donald Trump
Segundo acreditam os especialistas, os genes de resistência a antibióticos poderiam ter sido "transmitidos" aos seres humanos através das fazendas próximas e das moscas propagadoras.

De acordo com artigo da New Scientist, as moscas destas fazendas têm um alto nível de bactérias que contêm genes de resistência. Além disso, descobriram que um terço das bactérias Escherichia coli, que se encontram na carne proveniente de fazendas, é resistente aos antibióticos betalactâmicos carbapenemas e uma quarta parte da colistina.

Tanto os carbapenemas como a colistina são considerados "medicamentos de último recurso" e são usados apenas quando todos os outros medicamentes não conseguiram ajudar. No entanto, aparecem bactérias que carregam genes resistentes a essas substâncias.

O gene MRC-1 já foi descoberto em 25 países de quatro continentes, incluindo a China, o primeiro país onde foi registrado.

Doutora Diana Rivas exibe cérebro humano no Museu de Neuropatologia em Lima, Peru, 16 de dezembro de 2016 - Sputnik Brasil
Peixes-parasitas ajudam a desvendar surgimento do cérebro humano
Na China, o gado consome produtos em que injetam grandes quantidades de colistina. A cada ano, as fazendas de gado chinesas recebem cerca de 8.000 toneladas do antibiótico que na China não é usado como medicamento para as pessoas.

O governo do país planeja proibir o uso da colistina nas fazendas e introduzi-la como parte do tratamento de pacientes. Não obstante, os cientistas duvidam que seja capaz de ajudar os doentes que levam anos consumindo-o em grandes quantidades em pratos de carne.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала