Frente Nacional francesa vai reconhecer a Crimeia

© AFP 2022 / Filippo MONTEFORTEVista para cidade crimeana de Sebastopol, foto de arquivo de 7 de março de 2014
Vista para cidade crimeana de Sebastopol, foto de arquivo de 7 de março de 2014 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A candidata presidencial francesa do partido Frente Nacional, Marine Le Pen, declarou em entrevista ao jornal russo Izvestiya sobre a intenção de reconhecer a Crimeia como território russo caso vença as eleições em 2017.

De acordo com o artigo publicado, Marine Le Pen disse lamentar que a península não seja ainda reconhecida pela comunidade internacional e a ONU.

"Após o referendo, que mostrou o desejo do povo de se juntar a Rússia, eu também reconheço a Crimeia como parte da Rússia. O fato de a Crimeia ter pertencido à Ucrânia foi só uma questão administrativa da época soviética, a península nunca foi ucraniana," disse Marine Le Pen.

Marine Le Pen, a líder do partido político francês de Frente Nacional falando sobre os resultados das eleições dos EUA em Nanterre, França, 9 de novembro de 2016 - Sputnik Brasil
'OTAN não deve ameaçar a Rússia: Guerra Fria acabou há muito tempo!'
Além disso, a política de extrema-direita prometeu apoiar o levantamento das sanções contra a Rússia.

A península da Crimeia voltou a ser parte do território russo após realização de um referendo em fevereiro de 2014 em que a maioria dos cidadãos apoiou a decisão de tornar a Crimeia parte do território russo.

Até o momento, a reunificação da Crimeia com a Rússia foi reconhecida por sete países – Cuba, Venezuela, Nicarágua, Afeganistão e Coreia do Norte.

Sistemas de mísseis S-400 Triumph do regimento de defesa antiaérea na cidade russa de Teodósia, na Crimeia - Sputnik Brasil
Regimento de S-400 entra em serviço de prontidão na Crimeia
Durante a corrida presidencial, o republicano Donald Trump afirmou que, caso vencesse reconheceria a reunificação. Atualmente, o apontado pelo presidente eleito como chefe do Departamento de Estado confirmou esta intenção dos EUA.

Há também países que, embora não tenham reconhecido oficialmente a reunificação, apoiam a decisão dos habitantes locais. Por exemplo, o Cazaquistão reconheceu os resultados do referendo na península como expressão da livre vontade dos cidadãos e o líder bielorrusso, Aleksandr Lukashenko, disse que "de fato a Crimeia se tornou parte da Rússia e nós estamos com a Rússia".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала