Museu chinês solicita devolução de patrimônio histórico exposto em universidade dos EUA

© AFP 2022 / FREDERIC J. BROWN / FILESEsculturas do Exército de Terraccota exibidas no Museu do Exército de Terraccota popular de Xian, na província de Xangai (China)
Esculturas do Exército de Terraccota exibidas no Museu do Exército de Terraccota popular de Xian, na província de Xangai (China) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um museu na China solicitou a devolução de duas esculturas de cavalos, que foram ilegalmente vendidas para o exterior e que atualmente estão sendo exibidas no museu da Universidade da Pensilvânia.

Região russa de Transbaikal - Sputnik Brasil
Rússia pretende criar centro de estudos espaciais juntamente com China
O museu de Zhaoling fez a solicitação em 11 de janeiro através do serviço de mensagem WeChat, informa o jornal China Daily. A instituição chinesa espera receber de volta o patrimônio histórico, que, atualmente, faz parte das peças do Museu de Arqueologia e Antropologia da Universidade da Pensilvânia (O Museu de Penn), para que a coleção de cavalos seja reunida novamente.

De acordo com o Museu de Penn, "a representação realista e excelente técnica de entalho dos relevos de pedra merecem lugar único na arte chinesa e história escultural. Elas representam importância excepcional como relíquias pessoais de um dos monarcas chineses mais poderosos".

Candidato republicano à presidência (agora, presidente eleito dos EUA ), Donald Trump,  em 7 de dezembro de 2015 - Sputnik Brasil
Faltam 4 dias: China ainda não recebeu convite para cerimônia de posse de Trump
Segundo o site oficial do Museu de Penn, os cavalos foram encontrados no túmulo do imperador de 1.200 anos atrás, sendo removidos de lá entre 1913 e 1917. Quatro deles estão na China, mais precisamente no museu de Beilin, na cidade de Xian. "Os outros dois foram vendidos e transportados para o Museu de Penn em 1918. Eles foram comprados por Eldridge R. Johnson, quem os doou ao museu em 1921", acrescenta o site da instituição dos EUA.

O site China.org, citando arquivos do Museu de Xangai, afirma que os cavalos do Museu de Penn foram vendidos por 125 mil dólares ao então diretor do Museu de Penn pelo contrabandista de antiguidades, Lu Qinzhai, responsável pela ordem de remoção dos cavalos do túmulo do imperador.

​"Acreditamos que seja racional a devolução dos dois cavalos do Museu de Penn para a China… A Universidade da Pensilvânia foi responsável, por muito tempo, pela proteção da herança cultural global. Esperamos que o Museu de Penn possa acordar compromisso com a China nesse assunto, contribuindo significativamente para a proteção da herança cultural comum da humanidade", diz-se na solicitação do museu chinês, de acordo com o China Daily.

O China.org firmemente escreve: "o Museu de Penn não devia ter adquirido os dois cavalos, que evidentemente foram escavados após ato de sabotagem responsável pela danificação da superfície [das esculturas]. Solicitamos que o Museu de Penn colabore na negociação de plano para reunir os seis cavalos".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала