No primeiro ano de Macri, Argentina tem o pior índice de inflação dos últimos 25 anos

© REUTERS / Marcos BrindicciPresidente da Argentina, Mauricio Macri, logo após a tomada de posse na Casa Rosada
Presidente da Argentina, Mauricio Macri, logo após a tomada de posse na Casa Rosada - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Índice de 41% parece muito distante dos 25% projetados pelo presidente durante a campanha eleitoral.

Presidente argentino Maurício Macri profere discurso na Casa Rosada depois de procurador federal da república entrar com um pedido de investigação da sua participação na offshore bahamense - Sputnik Brasil
Argentina registra déficit fiscal primário de US$894 mi em novembro
No primeiro ano à frente da presidência da Argentina, o neoliberal Maurício Macri bateu um recorde amargo: a inflação acumulada foi de 41%, a maior em 25 anos.

O índice é o maior desde 1991, quando girava em torno de 84%. À época, o governo decidiu pela paridade da moeda com o dólar, uma política que fracassou no início dos anos 2000.

A taxa é bem maior que o prometido por Macri durante a campanha: 25%. Em todo o continente, os índices só são superados pela Venezuela, que tem a maior taxa de inflação do mundo, de 720% com previsão de 2200% até o fim de 2017.

Por enquanto, o governo argentino se atém à taxa de dezembro (1,2%), a menor do ano, para sustentar a retomada da economia. Macri também substituiu o ministro da Fazenda: saiu Alfonso Prat-Gay — que chegou a declarar que "inflação não era mais assunto" — e entrou o economista Nicolás Dujovne.

Analistas esperam crescimento na faixa de 2,5% a 3,5% neste ano.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала