Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

'Teoricamente, não há risco de ocorrerem massacres em presídios do Rio'

© Sputnik / Ivan Rudnev / Abrir o banco de imagensComplexo Penitenciário
Complexo Penitenciário - Sputnik Brasil
Nos siga no
Os massacres ocorridos em presídios do Amazonas, Roraima e em estados do Nordeste não deverão ocorrer, teoricamente, nas penitenciárias do Estado do Rio. Quem diz isso é Gutembergue de Oliveira, presidente do SindSistema, Sindicato dos Servidores do Sistema Penal do Estado do Rio de Janeiro.

Falando à Rádio Sputnik Brasil, Gutembergue de Oliveira afirmou não poder assegurar que confrontos entre presos não ocorrerão mas garantiu que as chances de isto acontecer são as mínimas possíveis:

"Nós, agentes penitenciários, temos a preocupação de, em todos os presídios do Estado do Rio, não misturar presos de diferentes facções criminosas. Nós os separamos por galerias ou pavilhões, como é o caso do Complexo Penitenciário de Gericinó. Então, reduzimos bastante as possibilidades de brigas e massacres entre presos virem a acontecer."

Desde o final de semana, a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária vem promovendo uma redistribuição de presos no Complexo de Gericinó e cuidando de sua remoção para outros estabelecimentos penais como, por exemplo, o de Japeri, na Baixada Fluminense. Em Gericinó, havia caso de presos cumprindo penas no mesmo pavilhão em que se encontram bombeiros e policiais, muitos destes responsáveis pelas prisões daqueles detentos.

Os primeiros 100 agentes que vão participar da operação desembarcaram em Manaus na manhã desta terça-feira (10) - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Tropas da Força Nacional chegam no Amazonas e em Roraima para segurança de presídios

Em relação ao presídio de Japeri, o problema é outro, diz Gutembergue de Oliveira:

"As dificuldades que enfrentamos na Baixada Fluminense é a criminalidade que tem nos atacado, assaltado e nos ameaçado de morte se não entregarmos armas e nossos bens pessoais. Já comunicamos às autoridades que a região precisa de policiamento e que os agentes penitenciários estão correndo grave risco de serem mortos pelos criminosos que agem livremente naquela região. Nós decidimos que, se esta situação não for corrigida, suspenderemos as visitas aos presos. Os presos têm todo direito de receber visitas mas, neste caso, é o direito à vida dos agentes penitenciários que se sobrepõe. E nós não vamos abrir mão do nosso direito e da nossa integridade."

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала