Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Economia russa crescerá 1% apesar das sanções, estima Moody’s

© REUTERS / Mike Segar/FilesAgência de classificação de risco de crédito Moody's
Agência de classificação de risco de crédito Moody's - Sputnik Brasil
Nos siga no
A agência de classificação de riscos Moody's estimou que a economia russa voltará ao crescimento modesto em 2017, apesar das sanções ocidentais.

"A Moody's acredita que a Rússia… registrará um crescimento positivo, embora modesto, de 1% em 2017, após dois anos de recessão. Esse crescimento terá impacto sobre uma região mais ampla devido aos vínculos comerciais e financeiros. Só a Bielorrússia deverá contrair novamente em 2017", afirmou a agência em comunicado, divulgando as perspectivas para a Comunidade de Estados Independentes (CEI). 

Bandeiras da Rússia e da UE - Sputnik Brasil
Bloomberg: Sanções contra Rússia estão com dias contados
Os conflitos geopolíticos continuarão a exercer pressão sobre a economia russa e a economia dos países da Comunidade de Estados Independentes (CEI), acrescentou a Moody’s, observando que os conflitos armados, como a violência na região separatista de Nagorno-Karabakh, no Azerbaijão, e a guerra no Leste da Ucrânia, continuarão a minar as economias da maioria dos estados da CEI, com exceção da Bielorrússia e do Cazaquistão.

Embora a CEI, incluindo a Rússia, ainda esteja associada a uma perspectiva negativa, a reviravolta econômica da Rússia puxará toda a região para mais perto da recuperação, de acordo com a Moody's. 

A Rússia foi atingida por uma recessão que começou no início de 2015 após a queda dos preços do petróleo e as sanções ocidentais declaradas contra o país. O PIB russo caiu 3,7% em 2015, de acordo com o Serviço Federal de Estatística da Rússia (Rosstat). 

O prognóstico mais recente do Ministério do Desenvolvimento Econômico para 2016 estima uma contração de —0,5%, com a previsão anterior sendo de —0,6%. A previsão para 2017 do ministério é um aumento do PIB de 0,6%. Espera-se que o crescimento se recupere ainda mais nos anos seguintes, crescendo 1,7% em 2018 e 2,1% em 2019.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала