'Cultura de cowboy' obriga EUA a introduzirem mais sanções contra Rússia

Nos siga noTelegram
Se a Rússia não responder à onda atual de sanções norte-americanas, esta será seguida por outras, porque a cultura norte-americana considera a ausência de reação de Moscou como uma fraqueza, pensa o analista do Instituto de Problemas de Segurança Internacional da Academia de Ciências da Rússia, Aleksei Fenenko.

"A onda atual é uma continuação da posição que assumimos nas vésperas da virada do ano quando não respondemos à expulsão dos diplomatas russos. Os norte-americanos consideram que a Rússia é fraca e que é preciso continuar exercendo pressão. A cultura norte-americana compreende somente a língua de respostas duras. Se o outro lado não responde de forma firme e cede, como fez a Rússia, os norte-americanos consideram que é preciso continuar a exercer pressão", declarou Fenenko à agência RIA Novosti.

Senado dos EUA - Sputnik Brasil
Senado dos EUA anunciará ‘amplas’ sanções contra a Rússia esta semana
Na sua opinião, são possíveis mais sanções em dois casos: se a Rússia não reagir de forma alguma à onda atual e não atacar qualquer área dolorosa para os EUA, eles continuarão a sua ofensiva, mas se a Rússia responder, os EUA cederão de imediato, pensa o especialista.

Como exemplo citou a decisão de Moscou de abandonar o acordo sobre a utilização de plutônio, que é um aspecto muito importante para Washington. "Depois disso, as discussões sobre sanções desapareceram por três meses", disse Fenenko.

"Se não respondermos, sim, poderão seguir-se mais sanções. Se a Rússia ficar silenciosa e não responder, os norte-americanos consideram-no como a nossa fraqueza. A cultura norte-americana não compreende termos como 'gesto de boa vontade' ou 'compromisso'. Esta é uma cultura de cowboy: ou ataco ou param-me, não há terceira variante", concluiu Fenenko.

Barack Obama e Donald Trump conversam com a imprensa durante reunião na Casa Branca, em Washington, 10 de novembro de 2016 - Sputnik Brasil
Opinião: novas sanções antirrussas de Obama foram 'presente de Ano Novo' para Trump
Em 30 de dezembro a administração Obama introduziu sanções contra mais empresas e cidadãos russos por causa da alegada intervenção de Moscou nas eleições norte-americanas e pressão exercida sobre diplomatas norte-americanos que trabalham na Rússia.

Nas vésperas do Ano Novo, os EUA declararam 35 diplomatas russos como personas non gratas. O presidente russo Vladimir Putin declarou, em resposta, que não expulsaria ninguém, embora houvesse razões para uma reação adequada. Além disso, Putin convidou os filhos dos diplomatas norte-americanos para a festa de Ano Novo no Kremlin.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала