Analistas: cisão da Síria supostamente apoiada pela Rússia, Irã e Turquia é impossível

© Sputnik / Mikhail Alaeddin  / Abrir o banco de imagensUm habitante de Aleppo oriental após seu bairro ter sido libertado
Um habitante de Aleppo oriental após seu bairro ter sido libertado - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O acordo entre a Rússia, a Turquia e o Irã para a resolução do conflito sírio não vai provocar a cisão do país, disse à RIA Novosti o cientista político turco Aydin Sezer.

Mais cedo, a agência Reuters, citando suas fontes bem informadas sobre a situação, comunicou que no âmbito deste acordo a Síria pode ser dividida em várias zonas de influência não oficiais.

"Esses acordos não podem levar à divisão da Síria em zonas de influência, já que a Rússia, o Irã e a Turquia apoiam a resolução do Conselho de Segurança da ONU № 2254, de acordo com a qual a integridade territorial da Síria deve ser preservada. A Turquia, bem como a Rússia, não quer que a Síria seja desintegrada. A médio e longo prazo, a Turquia precisa da cooperação com a Rússia no que se trata da regularização do problema sírio. Disso falam tanto as autoridades do país, como a opinião pública", afirmou Sezer.

Segundo diz ele, embora Ancara continue falando sobre a necessidade da destituição do presidente sírio Bashar Assad, a postura real turca nesta questão já não é tão dura como anteriormente.

"Para a Turquia hoje o partido curdo da Síria, [ou seja] Partido de União Democrática, é muito mais perigoso do que Assad. As autoridades turcas aceitam um período de transição com Assad, mas, na opinião delas, ele não deve ficar no cargo de presidente", ressaltou o interlocutor da RIA Novosti, acrescentando que Moscou e Teerã partilham de outro ponto de vista.

Residentes de Latakia participam da manifestação para agradecer a Rússia pela ajuda na luta contra terroristas, Síria, novembro de 2015 - Sputnik Brasil
Turquia apoia cessar-fogo mediado pela Rússia na Síria
O analista explicou que a trégua na Síria que está sendo negociada entre Ancara e Moscou não pode ser universal, já que incluirá apenas a oposição moderada. Ele também fez lembrar que de jure o país atualmente está em regime de cessar-fogo, mas a maioria das forças em confronto não o observa.

"De qualquer modo, isto [o acordo trilateral] é um passo em direção certa. É extremamente importante que Ancara e Moscou não só se sentem à mesa das negociações para a resolução da crise síria, mas também possam acordar algo", sublinhou Sezer.

O cientista político frisa que as posturas de Moscou e Ancara se aproximaram uma da outra no que se refere aos agrupamentos armados na Síria.

"A Turquia reconheceu que a Frente al-Nusra é um agrupamento terrorista. Através da Turquia, a Rússia está comunicando com a oposição moderada síria. Uma das questões principais são as forças de autodefesa dos curdos sírios (YPG), que a Rússia não considera como organização terrorista. Já a Turquia está combatendo não só o Daesh, mas também as YPG no Norte da Síria, e a Rússia está atrapalhando esta luta", ressaltou Sezer.

Outro especialista — o investigador sênior do centro de Estudos Árabes e Islâmicos da Academia de Ciências russa, Boris Dolgov, fala em uníssono com Aydin Sezer e diz que descarta a hipótese de os três países terem acordado a cisão da Síria sem negociar com Damasco.

"Isso, em primeiro lugar, será uma decisão dos sírios, e os outros países, mesmo se queiram, não poderão determinar a forma que assumirá o Estado Sírio. Os responsáveis oficiais russos têm muitas vezes expressado que somente os cidadãos sírios podem decidir tais questões", frisou.

Soldados do exército sírio em seus caminhões militares gritando lemas em apoio ao presidente sírio Bashar Assad, entrando em uma aldeia perto da cidade de Jisr al-Shughour, ao norte de Damasco, Síria (Arquivo) - Sputnik Brasil
Ministério da Defesa russo publica lista de grupos armados que aderiram à trégua na Síria
Segundo o analista, publicações como a da Reuters já apareceram antes. "Regra geral, estas falsificações são por um lado baseadas parcialmente em fatos, e por outro lado — em suposições dos autores. Nesta, em particular, não há declarações oficiais, já que não as houve nesse sentido. São suposições, enquanto a realidade deve ser confirmada por declarações dos altos funcionários", realçou Dolgov.

Outro cientista do centro de Estudos Árabes e Islâmicos da Academia de Ciências russa, Vladimir Sazhin, disse à RIA Novosti que a Síria está dividida e "continuará assim ainda por muito tempo".

"Mas tudo isto é tão convencional que é impossível falar de fronteiras concretas e assim por adiante. Na Síria não há, por regra, um espaço contínuo controlado por alguém, mas sim enclaves dispersos", resumiu.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала