Polícia indiana prende suspeitos de estupro coletivo de americana

© AFP 2022 / STRDELIndianos vão às ruas de Calcutá para protestar pelo fim da violência contra as mulheres (arquivo de março de 2015)
Indianos vão às ruas de Calcutá para protestar pelo fim da violência contra as mulheres (arquivo de março de 2015) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Após pressão da Comissão para Mulheres de Nova Deli, a polícia da capital indiana anunciou a prisão de quatro suspeitos em um caso de estupro coletivo de uma cidadã dos Estados Unidos.

Crimes na internet - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Brasil: Adolescente é vítima de estupro coletivo e autores divulgam vídeo na internet
O crime teria ocorrido em março deste ano. O grupo foi acusado de drogar e abusar de uma turista americana de 25 anos, durante dois dias, em um hotel da cidade. Os detidos são um guia de turismo, um motorista e seu ajudante e um funcionário do hotel. 

"A polícia vai pedir sua custódia para interrogatório", afirmou Deependra Pathak, oficial da Polícia de Deli. 

No último dia 20, a vítima, que estava em seu país, retornou à Índia para ajudar nas investigações e prestar o seu depoimento diante de uma corte indiana. Em suas declarações prévias, enviadas por e-mail, ela explicou que, quando estava em Nova Deli, foi ameaçada logo após o ataque pelos acusados, que lhe disseram para não falar sobre o assunto com ninguém. 

Devido à demora das autoridades para tomar uma ação e a possíveis irregularidades, a Comissão para Mulheres de Nova Deli (DCW) enviou uma reclamação formal à polícia, apontando os supostos lapsos no caso. 

"Esse é um assunto muito sério e uma violação grosseira das diretrizes da Suprema Corte de Deli, que ordenam que o oficial de serviço, imediatamente após a recepção da queixa de estupro, notifique a Célula de Crise de Estupros, que deve fornecer aconselhamento e outros serviços de apoio à vítima de estupro. O mesmo foi elucidado na ordem permanente nº 303/2016 da Polícia de Deli", escreveu a DCW em sua notificação, reproduzida pelo Indian Express.

Em seu Twitter, a chefe da comissão, Swati Maliwal, se manifestou publicamente sobre os acontecimentos, criticando duramente a polícia da capital indiana. 

"Procurei um relatório sobre o status das investigações. Tais exemplos difamam a Índia. A confiança das mulheres na polícia diminui. A polícia deveria ter obedecido as instruções da Suprema Corte e chamado um conselheiro da DCW", declarou Swati Maliwal, chefe da comissão.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала