Presidente Santos: na Colômbia não estão monopolizando bolívares

© REUTERS / Ueslei MarcelinoUm caixa recebe notas venezuelanas de bolívar em um mercado no centro de Caracas, Venezuela
Um caixa recebe notas venezuelanas de bolívar em um mercado no centro de Caracas, Venezuela - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente da Colômbia anunciou que nas próximas horas vai enviar uma equipe técnica para a Venezuela para estudar a situação cambiária que levou ao encerramento da fronteira por uma semana e a que o governo venezuelano decidisse retirar de circulação a cédula de 100 bolívares por terem sido acumuladas por "máfias" no estrangeiro.

Segundo um comunicado da Presidência da Colômbia, Juan Manuel Santos disse que o objetivo é "analisar se existem alternativas" aceitáveis para os dois países "para encontrar uma solução mais eficaz para a questão da moeda".

O chefe de Estado colombiano informou que na noite da segunda-feira (21) falou com seu homólogo venezuelano, Nicolás Maduro, e concordou em "estudar conjuntamente" o que aconteceu e avaliar as possíveis soluções.

Santos insistiu que, ao contrário do que o governo de Maduro diz, "o problema não é que aqui [na Colômbia] estejam acumulando bolívares, o problema reside na Venezuela".

Para isso, ele baseou sua tese em que "o volume que têm as casas de câmbio e comerciantes [na região da fronteira] é muito reduzido", o que não possibilita especular com a moeda.

Guarda Nacional da Venezuela na fronteira com a Colômbia - Sputnik Brasil
Fechamento de fronteira deixa brasileiros retidos na Venezuela
Além disso, o presidente acrescentou que em seu diálogo com o presidente Maduro eles concordaram em reforçar os controles nas trilhas que ainda não são controladas.

"Falei ontem à noite […] com o presidente Maduro e mencionei esse problema específico, precisamos de mais colaboração entre as duas partes para combater o contrabando, porque o contrabando não convém absolutamente a ninguém", concluiu Santos.

Em 12 de dezembro, o presidente Maduro ordenou fechar imediatamente por 72 horas a fronteira com a Colômbia para enfrentar as "máfias" que, segundo ele, fazem contrabando da moeda venezuelana, o bolívar. No entanto, passadas 72 horas, o prazo foi prorrogado até 2 de janeiro.

Anteriormente, Maduro ordenou retirar de circulação as cédulas de 100 bolívares, o que afetou os comerciantes da área fronteiriça colombiana que não puderam ir ao país vizinho para devolvê-las ou trocá-las.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала