Daily Mail: 'Reportagens de Aleppo' são escritas por pessoas sentadas em Londres

© Sputnik / Mikhail Alaeddin / Abrir o banco de imagensSituação em Aleppo
Situação em Aleppo - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Quase tudo o que a mídia britânica ultimamente diz sobre a situação em Aleppo não foi verificado e confirmado pelos fatos, escreve o colunista do Daily Mail, Peter Hitchens.

"Nos últimos dias nós temos sido bombardeados por reportagens vívidas sobre os eventos em Aleppo oriental que foram preparadas por pessoas em Beirute, localizada a uma distância de 180 milhas da cidade síria (de um outro país) ou mesmo a partir de Londres, que está localizada a uma distância de 2.105 milhas (de um outro mundo). Essas reportagens nos relataram que lá [em Aleppo] mataram mulheres e crianças e pessoas foram queimadas vivas", escreve Hitchens.

As fontes dessas informações eram certos "ativistas", mas continua por esclarecer quem eles são.

"Pelo que eu sei, na semana passada em Aleppo oriental não havia nenhum jornalista ocidental. Nem um", diz o colunista.

Capacetes Brancos evacuam uma vítima em Hamra, um distrito então dominado por rebeldes em Aleppo, em 20 de novembro de 2016 - Sputnik Brasil
Conselho de Segurança da ONU por unanimidade decide monitorar evacuação de Aleppo
Ao mesmo tempo, a maioria da mídia britânica chama pudicamente os adeptos da Al-Qaeda (proibido na Rússia) de "rebeldes", e o ex-primeiro-ministro, David Cameron, chamou-os de "oposição moderada". As razões para tal comportamento da mídia são cada vez mais difíceis de entender ou perdoar. Se esses "rebeldes" estivessem em qualquer outro lugar do mundo, incluindo na Grã-Bretanha, a mídia iria chamá-los de "extremistas", "jihadistas", "terroristas" e "fanáticos", tem a certeza o comentarista.

Basta lembrar Khaled Abu Sakkar [um dos líderes do chamado Exército Livre da Síria], que à frente da câmera cortou e comeu o coração de um soldado morto, ou os membros do grupo radical Harakat Nour al-Din al-Zenki, que decapitou crianças. Essa "oposição moderada" está sendo defendida no Parlamento britânico, e dos "massacres" e "crimes de guerra" são acusados o exército sírio e a Rússia. Mas, como diz Hitchens, ele ainda não viu "uma única prova independente e verificável" dessas acusações.

Sírios evacuados das vilas sob o controle dos terroristas perto de Idlib, Aleppo, Síria, 19 de dezembro de 2016 - Sputnik Brasil
Militares dos EUA, Israel e Turquia tentam deixar Aleppo junto com terroristas
De acordo com o comentarista, antigamente ele viajava muito aos países comunistas e acima de tudo odiava o fato de que "toda declaração oficial era uma mentira deliberada". Naqueles dias, a mídia ocidental parecia uma lufada de ar fresco. Agora, porém, nela se encontram frequentemente "falsas informações apoiadas pelo Estado". De acordo com Hitchens, ele tenta dizer a verdade o mais alto que pode, porque todos os outros se calam.

Na semana passada, o exército sírio com o apoio de seus aliados expulsou os militantes de todos os bairros de Aleppo. Assim, o maior centro industrial, de infraestruturas e de logística ficou libertado dos terroristas. Os militantes, que eram apoiados pelos EUA e países da coalizão, realizaram ataques com armas químicas, bombardearam civis, infraestruturas e hospitais.

Os EUA e a União Europeia têm repetidamente acusado Moscou de forma infundada de bombardeios de civis.

A Rússia tem desmentido regularmente tais acusações e sublinha que a operação na Síria é realizada em estrita conformidade com as normas do direito internacional. O Ministério da Defesa tem afirmado repetidamente que todos os ataques da Força Aeroespacial na Síria contra os terroristas são realizados somente depois da verificação repetida dos dados e autorização das acões para evitar o risco para os civis. Isso também é confirmado pelo lado sírio.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала