Damasco condiciona saída dos rebeldes de Aleppo

© REUTERS / Ammar AbdullahOs evacuados do leste de Aleppo desembarcam dos ônibus após sua chegada à cidade de al-Rashideen, que é mantida pelos insurgentes, na Síria, em 15 de dezembro de 2016.
Os evacuados do leste de Aleppo desembarcam dos ônibus após sua chegada à cidade de al-Rashideen, que é mantida pelos insurgentes, na Síria, em 15 de dezembro de 2016. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O governo sírio exigiu a evacuação de mais de mil moradores das povoações xiitas sitiadas de Fuah e Kafarya, província Idlib, em troca da evacuação dos rebeldes que ainda permanecem em Aleppo.

As cidades cercadas de Al Fuah e Kafarya - Sputnik Brasil
Cidades sírias de Al Fuah e Kafarya – três anos de bloqueio, fome e doença
No início do dia, a agência SANA transmitiu que os ônibus começaram chegando aos bairros orientais de Aleppo em preparação para a remoção dos militantes que ainda se encontram na cidade.

O acordo proposto por Damasco pressupõe deixar que 1.200 moradores das duas povoações da província de Idlib deixem as áreas sitiadas pelos terroristas da Frente al-Nusra em troca da evacuação de um número idêntico de militantes e suas famílias de Aleppo, informou a televisão estatal síria no domingo (18).

Os militantes não poderão sair de Aleppo até que a evacuação de Fuah e Kafarya esteja completa, disse o governo.

Fuah e Kafarya são o único enclave mantido pelo governo na vasta área dos militantes em Idlib. As povoações, com cerca de 20.000 pessoas, estão sob cerco desde 2013. A situação humanitária continua terrível, com falta de alimentos e de bens de primeira necessidade.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала