'Existe a possibilidade de formação de faixa jihadista na fronteira turco-síria'

© AP Photo / Lefteris PitarakisFronteira turco-síria, fechada do lado turco, na madrugada da segunda-feira, dia 8
Fronteira turco-síria, fechada do lado turco, na madrugada da segunda-feira, dia 8 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A situação atual em Aleppo é comentada em uma entrevista para a Sputnik por Hediye Levent, jornalista turca que trabalha em Damasco.

De acordo com Hediye Levent, hoje é muito difícil dizer que parte do território sírio foi exatamente libertada pelas tropas governamentais, é apenas possível constatar que a maioria da população síria vive nas cidades que são controlados pelas forças do governo.

"A situação na Síria mudou muito. Pode ser ainda cedo, mais muitos falam do fim da guerra no país. As batalhas que se realizavam nas partes centrais das cidades foram de grande importância. No território sírio atuam dois grupos terroristas. O primeiro é Frente al-Nusra, e outro — o Daesh (ambos proibidos na Rússia). Foi muito importante expulsá-los das cidades", opina Hediye Levent.

Syrian pro-government forces patrol Aleppo's Sheikh Saeed district, on December 12, 2016, after troops retook the area from rebel fighters - Sputnik Brasil
Jihadistas remanescentes em Aleppo pediram para deixar a cidade
A jornalista turca explicou que logo poderá ser observada a mudança para uma etapa nova na vida dos cidadãos: a reconstrução das casas e fábricas destruídas, o país será posto em ordem. Mas, como a situação ainda não é muito estável, é preciso estar pronto para qualquer reviravolta, advertiu Hediye Levent.

Ela observa que sírios apoiam o governo porque, depois da ocupação americana do Iraque, muitos iraquianos fugiram para a Síria e, com tais testemunhos, os moradores locais sabem bem o que significa a cisão do país.

"Eles tinham medo de que país fosse dividido. E, por isso, eles estão ao lado do governo. Aqui é muito fácil ver que as pessoas, independentemente da sua religião, fazem frente aos jihadistas e apoiam o governo. Claro que isto consolida as posições das autoridades sírias, mas quando o confronto for menos encarniçado, o povo vai esperar por reformas sérias<…>", disse Hediye Levent em entrevista à Sputnik Turquia.

Um soldado do Exército Sírio está vigilando as posições dos militantes, a 20 km de Palmira, na Síria - Sputnik Brasil
Especialistas falam em conspiração entre coalizão ocidental e terroristas em Palmira
Ela destaca que os processos na Turquia e na Síria são muito parecidos. O governo sírio sempre foi laico, mas as camadas laicas sempre foram perseguidas no país, isto ajudou muito os extremistas na divulgação das ideias radicais. O governo sírio fechava os olhos ao fato de os radicais saírem do país para fazer a jihad no estrangeiro. E agora numerosos combatentes saíram da Turquia para participar da guerra na Síria. Muitos morreram, mas os que voltaram vieram com grande experiência de combate. Os extremistas estrangeiros costumam usar o território da Turquia como local de treinamentos.

As autoridades turcas gostam de sublinhar que elas combateram o terrorismo no país nos anos 90, mas vale lembrar que naquela época a Turquia estava rodeada por países com governos fortes, que conseguiam controlar os jihadistas, agora estes governos já não existem e os grupos terroristas continuam crescendo e se espalhando pelo mundo, assinala Hediye Levent.

"A razão principal disso é a seguinte: a Turquia ainda recusa reconhecer a ameaça, ainda chama a al-Nusra de organização política normal. Mas a Frente al-Nustra é a continuação da Al-Qaeda. Hoje, na área entre Idlib e fronteira turca existe a ameaça muito real de formação de uma faixa jihadista.

Sírios evacuados de Aleppo oriental chegam na região de Khan al-Aassal, controlada pela oposição, em 15 de dezembro de 2016, a primeira parada rumo aos campos temporários na periferia de Idlib. - Sputnik Brasil
Mais de 6.400 pessoas evacuadas de Aleppo oriental em 24 horas
Respondendo à questão sobre a perspectiva de mudança na posição de Ancara em relação à política síria, a jornalista disse:

"Falando francamente, não acho que tal mudança aconteça no futuro próximo. Entre a Turquia e a Síria foram e serão realizadas negociações com a mediação de outros países, mas agora, eu acredito que tanto Damasco, quanto Ancara, são capazes resolver os problemas sozinhos", frisou ela.

Entretanto Hediye Levent disse que sim, que há sinais que indicam progresso nas relações turco-sírias, mais ainda é muito cedo para tirar conclusões.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала