Maduro solicitou reunião com Uruguai para discutir 'agressão' a seu país no Mercosul

© Sputnik / Ruslan Krivobok / Abrir o banco de imagensPresidente da Venezuela Nicolás Maduro
Presidente da Venezuela Nicolás Maduro - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, solicitou neste sábado ao seu colega do Uruguai, Tabaré Vázquez, um encontro "face a face" para esclarecer a "agressão" ao seu país no Mercosul.

Delcy Rodriguez Mercosul - Sputnik Brasil
Venezuela denuncia 'golpe de Estado' no Mercosul
"Eu faço um apelo ao Presidente Tabare Vazquez… para realização de uma reunião pessoal, cara a cara… para demonstrar ao presidente Tabaré Vázquez, que aquilo que fizeram contra a Venezuela é uma agressão, uma infâmia, uma canalhice”, afirmou Maduro.

Em nome do Presidente Hugo Chavez (1954-2016), Maduro pediu que o seu homólogo uruguaio corrija a situação.

“Em nome do comandante Hugo Chávez, que gostava tanto que você, Presidente Tabare, não faça isso à Venezuela… vamos conversar", disse o presidente durante uma reunião presidencial em Caracas, transmitida pela emissora Venezolana de Television.

Em sua opinião, o Brasil, Argentina e Paraguai "impuseram com mentiras" ao governo do presidente Tabaré, um "golpe" contra a Venezuela no Mercosul.

“O governo brasileiro, também de golpista, e a extrema-direita argentina, impuseram uma decisão ideológica, uma perseguição ideológica que estamos sofrendo no Mercosul", disse Nicolás Maduro.

O presidente da Venezuela fez as declarações em relação a um comunicado enviado por outros membros do bloco regional, nesta sexta-feira, para informar a suspensão do país na organização por supostamente não de aderir a um conjunto de resoluções.

Além disso, Maduro solicitou a convocação de uma sessão plenária do bloco para defender o direito do seu país de pertencer ao Mercosul como membro pleno.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, durante encontro com a oposicão - Sputnik Brasil
Venezuela é suspensa do Mercosul por não cumprir obrigações do bloco
"Vou me apresentar pessoalmente a defender a Venezuela, porque eles não nós deram o direito de defesa ", disse ele.

Maduro repudiou o fato de ter recebido a notícia sobre a sua "suspensão ilegal" através do jornal brasileiro Folha de São Paulo, e somente depois ter recebido um documento "assinado pelos embaixadores" dos membros do bloco.

"A Venezuela nunca foi convocada para expressar a sua posição perante os parceiros do Mercosul", disse o presidente, lembrando que seu país foi integrado ao bloco em uma plenária presidencial, e que a sua suspensão deveria acontecer em reunião similar.

Esta situação, enfrentada pela Venezuela, disse Maduro, foi impulsionada pelos EUA. O líder venezuelano afirmou que o seu país tomará medidas legais cabíveis.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала