Canadá impõe novas sanções contra políticos russos da Crimeia

© Sputnik / Grigoriy Sisoev / Abrir o banco de imagensKremlin, Moscou
Kremlin, Moscou - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Canadá impôs novas sanções contra 15 indivíduos russos, incluindo seis membros da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo) que representam a Crimeia.

"A fim de manter a pressão necessária sobre a Rússia até que ela cumpra totalmente suas obrigações internacionais em relação à Ucrânia, os Regulamentos das Medidas Econômicas Especiais foram alterados para listar mais 15 indivíduos separatistas, incluindo seis membros da Duma russa da Crimeia, que estão sujeitos a um congelamento de ativos e proibição de realizar negociações", diz o comunicado da diplomacia canadense.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores do Canadá, os seis legisladores sancionado são Ruslan Balbec, Konstantin Bakharev, Andrey Kozenko, Svetlana Savchenko, Pavel Valentinovich Shperov e Dmitry Belik.  

Barack Obama e Angela Merkel se reúnem em 17 de novembro, em Berlim - Sputnik Brasil
Obama aconselha Merkel a manter sanções contra Rússia
O documento confirma que o Canadá não reconhece os resultados das eleições para a Duma de Estado na Crimeia, considerando a península, juntamente com a região de Sevastopol, como territórios "anexados" e não os reconhece como parte da Federação Russa.

O texto não cita nenhuma exigência da Crimeia voltar para a Ucrânia, mas há uma declaração de intenção de "manter a pressão sobre a Rússia, de modo que ela respeite os acordos de Minsk" sobre a resolução do conflito em Donbass.

Os Estados Unidos, a União Europeia e alguns dos seus aliados impuseram várias rodadas de sanções restritivas contra Moscou, visando setores chave da economia russa, bem como um certo número de indivíduos e entidades. 

As sanções foram impostas após a reunificação da Crimeia com a Rússia e do suposto envolvimento de Moscou no conflito na Ucrânia, que começou quando Kiev lançou uma operação militar na regiões orientais do país em abril de 2014. A Rússia tem repetidamente refutado as alegações.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала