Alemanha investiga influência nazista no governo após 1945

© AP Photo / Fpto de arquivoJudeus durante holocausto, Varsóvia, 19 de abril, 1943
Judeus durante holocausto, Varsóvia, 19 de abril, 1943 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O governo alemão lançou uma investigação para descobrir de que forma redes nazistas conseguiram infiltrar o governo após a Segunda Guerra Mundial, inclusive a chancelaria, os ministérios e agências governamentais.

Um neonazista segurando a tocha em homenagem ao 68 aniversário dos bombardeamentos de Dresden - Sputnik Brasil
Tudo vale a pena: projeto da resolução russo contra nazismo será considerado na ONU
Para descobrir a verdade, o governo atual iniciou uma investigação da época mais complicada da história do país.

O custo da investigação supera 4 milhões de dólares e esta será realizada até 2020, informou o Ministério da Cultura da Alemanha num comunicado divulgado no sábado passado (26). Pelo menos um quarto do orçamento será alocado para descobrir a influência nazista no núcleo da política alemã – a Chancelaria Federal.

Os investigadores vão prestar atenção especial às ligações pessoais de oficiais nazistas antes do fim da guerra e como estes mudaram após 1945, especialmente na chancelaria e em outros órgãos governamentais, destacou o jornal Deutsche Welle. 

De quem se trata?

Um cérebro - Sputnik Brasil
Mídia: na Alemanha foi descoberta coleção de cérebros de vítimas do nazismo
Uma das figuras centrais na investigação é Hans Globke, oficial muito controverso do Leste alemão que serviu como chefe de gabinete e assessor de confiança do chanceler alemão Konrad Adenauer, o primeiro da época pós-guerra, entre 1953 e 1963.

Globke é famoso também por ser coautor dos comentários oficiais às leis de Nuremberga, que serviram de base jurídica para a perseguição dos judeus.

O projeto ambicioso lançado na Alemanha analisará também a influência de advogados da era nazista que ocuparam mais tarde altos postos no Ministério da Justiça alemão. De acordo com o relatório governamental divulgado em outubro e citado pelo Sueddeutsche Zeitung, em 1957 cerca de 77% de todos os funcionários do ministério eram ex-membros do Partido Nazista.

Exposição Viventes' na PUC RJ - Sputnik Brasil
Exposição no Rio retrata sobreviventes do holocausto que vivem no Brasil
Obstáculos e controvérsias…

Embora a ideia pareça boa, existe uma série de obstáculos que podem minar o processo. Em particular, muitos documentos que têm a ver com altos responsáveis da época pós-guerra e suas possíveis ligações com os nazistas continuam sendo classificados. Muitos deles até mesmo foram destruídos pelos serviços secretos alemães.

E, mais do que isso, nos finais de anos 1990 a Serviço Federal de Inteligência da Alemanha (BND na sigla em alemão) introduziu medidas extraordinárias de segurança em relação a informação controversa sobre Alois Brunner.

O alto oficial das SS (em português "Tropa de Proteção"), ligado diretamente a Adolf Hitler, foi também confidente próximo de Adolf Eichmann e, depois, segundo várias informações, trabalhou no BND durante certo tempo.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала