'Estado de emergência não diminuiu ataques terroristas na França', diz especialista

© AP Photo / Thibault CamusPessoas descansam após evacuação da casa de shows Bataclan em Paris, 13 de novembro de 2015
Pessoas descansam após evacuação da casa de shows Bataclan em Paris, 13 de novembro de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um ano atrás, logo após os atentados de 13 de novembro na França, foi introduzido um estado de emergência que segue em vigor até hoje. O pesquisador do instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais da França (IRIS), François-Bernard Huyghe, falou à Sputnik sobre o combate ao terrorismo no último ano.

"Este estado de emergência foi um sucesso político do governo, porque mesmo a oposição teve que votar nele, e, em seguida, votar pela sua extensão. Este estado de emergência, que pela Constituição tem um limite de tempo, gradualmente se torna permanente", comentou o especialista. 

"[Estado de emergência] não pode impedir ataques, especialmente cometidos por aqueles que já foram registrados. Quero lembrar o caso dos dois jovens que esfaquearam um padre na igreja, que estavam sob prisão domiciliar, usando uma pulseira eletrônica. Para alguém que decide matar o outro, e depois morrer, tudo isso não faz qualquer diferença", frisou o escritor. 

Segundo ele, o estado de emergência impediu a prisão de futuros jihadistas e terroristas, o que poderia ser feito em condições normais. "Em termos de eficiência, não impediu o ataque terrorista terrível em Nice", acrescentou. 

Para Huyghe, o estado de emergência é, acima de tudo, para tranquilizar a população e mostrar que as autoridades estão fazendo alguma coisa. 

"Tenho a impressão de que o estado de emergência não reduziu a taxa de criminalidade na França, nem no que diz respeito aos crimes terroristas, nem em relação aos crimes comuns", disse o pesquisador. 

French Interior Minister Bernard Cazeneuve attends a news conference on COP21 World Climate Summit security - Sputnik Brasil
França pode cancelar eventos de verão por medo de terrorismo
Segundo ele, o problema está no número de terroristas na França, que soma vários milhares. François-Bernard Huyghe afirma que com essas cifras não existe força policial em nenhuma sociedade democrática capaz de controlar todos e impedir os seus atos.

O estado de emergência foi declarado após os ataques terroristas de 13 de novembro em Paris, que deixaram 130 mortos. Em julho deste ano, ele foi prorrogado por mais seis meses. 

O decreto permite que a polícia buscas e vigilância sem passar pelos tribunais, e coloque em prisão domiciliar qualquer pessoa suspeita de "atividade perigosa para a segurança e ordem públicas”. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала