Piloto da OTAN fala sobre conduta dos colegas russos no ar

© REUTERS / Wolfgang RattayAvião da OTAN efetuando um voo de reconhecimento sobre as águais neutrais do mar Báltico
Avião da OTAN efetuando um voo de reconhecimento sobre as águais neutrais do mar Báltico - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O piloto do contingente alemão da OTAN na base aérea estoniana, Swen Jacob, concedeu uma entrevista ao Washington Post e falou sobre os encontros com aviões russos sobre as águas neutrais do mar Báltico.

OTAN na Geórgia - Sputnik Brasil
OTAN pretende aumentar prontidão dos milhares de militares devido à 'agressão' russa
Segundo diz o piloto ao Washington Post, as relações cada vez mais tensas entre a Rússia e a Aliança Atlântica têm impacto notável na ação dos pilotos militares: surgem mais hipóteses de os colegas se encontrarem no mesmo espaço aéreo.

"Às vezes os pilotos voam a menos de 10 metros de distância dos aviões russos. É bastante perto para saudar o outro piloto ou mostrar-lhe o dedo médio, como há pouco o fez um piloto russo. Parece que assistiu demasiado a filmes de ação", disse.

Entretanto, há momentos que, ao contrário, ajudem a aliviar a tensão. Certa vez um piloto russo entrou em contato com seu colega via rádio para o felicitar pelo Natal, adiantou o militar alemão.   

"Eles [pilotos alemães] sabem o que acontecerá se eles fizerem alguma besteira, e eu acho que os russos também o entendem", considera Swen Jacob.

Caças F-16 da FA da Polônia junto com Eurofighter Typhoon da Alemanha durante a cúpula da OTAN em Varsóvia - Sputnik Brasil
Lituânia: caças da OTAN escoltaram avião militar russo no espaço aéreo do mar Báltico
Mais cedo, ao comentar as acusações de representantes finlandeses e estonianos contra a Rússia em uma entrevista ao jornal alemão Bild, Swen Jacob frisou que nenhum avião russo sobrevoou nem o território continental, nem as ilhas destes países bálticos. O piloto também sublinhou que durante seu serviço na Estônia ele não testemunhou nenhuma manobra agressiva por parte dos colegas russos.      

Os Países Bálticos não se dispõem de aviões aptos para patrulhamento aéreo, por isso, desde abril de 2004 (após sua adesão à OTAN), são os países da Aliança que se encarregam de vigilar o respetivo espaço aéreo em sistema de rotação.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала