'Inteligência britânica intimida mundo com ameaça russa por ter sede de dinheiro'

© flickr.com / SkinbopsO serviço britânico de inteligência MI5
O serviço britânico de inteligência MI5 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O chefe do serviço britânico de inteligência MI5, Andrew Parker, declarou que a Rússia apresenta alegadamente uma ameaça crescente à estabilidade do Reino Unido e usa meios modernos para atingir seus objetivos, contudo, ele não apresentou provas concretas disso.

"A Rússia usa uma série de entidades estatais para promover sua política externa no estrangeiro com meios cada vez mais agressivos, incluindo propaganda, espionagem, sabotagens e ciberataques. A Rússia atua em toda a Europa e no Reino Unido. O trabalho do MI5 é combater isso", citou o jornal britânico The Guardian a declaração de Parker.

Combatentes do Exército Livre da Síria toma posição no norte de Aleppo, Síria, 24 de outubro de 2016 - Sputnik Brasil
Mídia publica dados da inteligência ocidental sobre planos russos em Aleppo
Segundo o jornal, o chefe do MI5 declarou que alegadamente no Reino Unido age um grande número de agentes de inteligência.

"Os alvos da Rússia incluem segredos militares, projetos industriais, informações econômicas, a política do governo e a política externa", disse.

"Parece que a Rússia se identifica cada vez mais como oposição ao Ocidente e parece que age de forma correspondente… Fora do foco de atenção há um grande nível de atividades ligadas a ciberameaças. Por muitas décadas a Rússia se apresentou como uma ameaça clandestina. A diferença é que agora cada vez mais métodos lhe são acessíveis", sublinhou Parker.

Além disso, ele informou que no Reino Unido existem "cerca de 3 mil extremistas islâmicos, a maioria dos quais são britânicos" e que durante os próximos cinco anos o número de funcionários do MI5 aumentará em 4 a 5 mil, desmentindo as informações de que o Brexit afetará a cooperação com os serviços secretos europeus.

Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos EUA - Sputnik Brasil
Inteligência chinesa rouba planos secretos do Pentágono sobre conflito com Pequim
Esta é a primeira entrevista a um jornal do chefe do MI5 durante os 107 anos de existência do serviço.

O especialista político e vice-diretor do Instituto Nacional de Desenvolvimento da Ideologia Contemporânea, Igor Shatrov, pensa que estas declarações são uma continuação da histeria norte-americana em relação à ilusória ameaça russa e um pretexto para receber mais financiamento.

"Pelos vistos, sem finanças adicionais a inteligência britânica não é capaz de prevenir 'a agressão da Rússia' e por isso atrai as atenções para as 'capacidades da Rússia'. Segundo os agentes britânicos e de outros países ocidentais, nós somos fortes em ciberataques e em tecnologias militares <…> Dizem que a Rússia avançou muito e que nós nos deixamos ultrapassar, o parlamento não atribui financiamentos, deem-nos dinheiro! Estes são todos os seus motivos", disse Shatrov ao serviço russo da Rádio Sputnik.

Diretor de Inteligência Nacional dos EUA, James R. Clapper - Sputnik Brasil
Chefe da inteligência americana explica comportamento da Rússia
Além disso, o especialista disse que alguns países europeus lamentam que o Ocidente tenha perdido sua influência e que é preciso fazer algo. Segundo Shatrov, as declarações sempre ocultam atividades ou a sua falta.

"Penso que no contexto da política que o Ocidente está realizando em relação à Rússia, isso não é uma falta de atividade, mas um apelo para atividades mais ativas contra a Rússia. Porque está crescendo um adversário político do Ocidente. <…> Além disso, a Grã-Bretanha sempre agiu como uma espécie de 'irmão mais pequeno' dos EUA, é por isso que ela canta pela pauta alheia."

A embaixada russa no Reino Unido lamentou na sua página no Twitter que um profissional (Parker) tenha ficado preso no mundo de propaganda que ele próprio criou.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала