Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Petroleiros: 'Acordo com Total só confirma desmonte da Petrobras'

© Marcelo Camargo/Agência BrasilPetroleiros
Petroleiros - Sputnik Brasil
Nos siga no
A Petrobras e a francesa Total anunciaram acordo que permitirá parceria entre elas na exploração e produção de gás e energia não só no Brasil como também no exterior. Hoje, as duas empresas já são sócias em 15 consórcios dos quais nove no Brasil e seis lá forar. A expectativa é que até o fim do ano os detalhes da parceria estejam definidos.

A Total é uma das sócias da estatal no grande campo de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos, e agora revela interesse em participar com a Petrobras em todos os segmentos de refino, gás natural e energia. No exterior, as duas empresas atuam em conjunto no Golfo do México, no campo de águas profundas em Akpo, na Nigéria, e nos campos de gás de San Alberto e San Antonio, na Bolívia, além de serem parceiras no gasoduto Brasil-Bolívia. A empresa francesa é uma das principais do setor de óleo e gás natural no mundo, sendo a segunda maior operadora de energia solar, atrás apenas da SunPower.

Para a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), contudo, o anúncio da parceria só comprova a execução da venda de ativos do atual comando da Petrobras. O coordenador da FNP, Emanuel Cancela, é enfático.

"A Petrobras está fazendo uma liquidação, uma entrega de ativos maior que a da privataria tucana. A maior expertise do mundo é da Petrobras na área de exploração e produção. Foi ela quem desenvolveu tecnologia inédita no mundo que permitiu a descoberta do pré-sal. Nenhuma empresa de petróleo consegue acertos maiores na perfuração de poços. O  Pedro Parente é um indicado do PSDB de Fernando Henrique que tentou privatizar a Petrobras. Agora ele diz que não vai privatizar a empresa, mas está vendendo. O Lula desmontou todo o esquema montado por Fenrnado Henrique na empresa: vendeu 30% para  a Repsol, jogou a indústria naval para os gringos. Tudo isso foi revertido por um governo democrático e popular." 

Cancela diz que os petroleiros vão tentar reverter esse quadro juridicamente. 

"Por isso queremos a volta de  Lula para disputar a presidência em 2018, porque ele é a pessoa que poderá desmontar todo esse esquema. O sindicato está discutindo com a categoria uma resistência. Temos chances de reverter grande parte desses negócios. O Campo de Carcará é uma província de petróleo que dobra as reservas da Noruega e foi vendido à Statoil (estatal norueguesa da área de petróleo) a preço de um refrigerante, e isso sem licitação."

O dirigente confirma que o sindicato está sendo pressionando com ações na Justiça, mas garante que a categoria não vai se calar.

Deputado Paulo Rocha, do PT/PR - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
PT recorre a tribunal contra venda de empresas da Petrobras

"A gente acredita que o povo brasileiro vai acordar, e a campanha do 'Petróleo é Nosso' não foi em vão, porque ela aconteceu quando o petróleo era um sonho e agora, quando ele é ralidade, a sociedade não vai permitir a entrega da Petrobras do jeito que está sendo feito e mais uma vez financiada com dinheiro público do BNDES e do Banco do Brasil."

Com relação ao interesse da empresa francesa na área de energia, Cancela afirma que o atual presidente da empresa "foi o gerente que administrou o apagão no Brasil, e quem o desmontou foi a Petrobras à época da gestão de Ildo Sauer à frente da diretoria de Gás & Energia". O coordenador da FNP lembra que foi Sauer o responsável pela compra de grande parte dessas termelétricas. 

"Com a construção de hidrelétricas e torres de transmissão não temos mais o risco de apagões. Quando Sauer comprou as termelétricas, a gente pagava em dólar o quilowatts de energia sem produzir. Esses setores que o Parente está tirando da Petrobras (petroquímica, biocombustíveis, fertilizantes e gás) são estratégicos e fundamentais para o país e a empresa. Não se pode ver um patrimônio, criado ao longo de 63 anos, ser entregue, assim como o pré-sal e a indústria naval."

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала