WikiLeaks publica 9º lote de polêmicos e-mails da campanha de Hillary Clinton

© AFP 2022 / SAUL LOEBEx-secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, defende-se de acusações sobre sua responsabilidade pelos ataques mortais na missão dos EUA na Líbia perante os Republicanos, na abertura de inquérito dos partidários de propaganda anti-Clinton, 23 de outubro de 2015
Ex-secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, defende-se de acusações sobre sua responsabilidade pelos ataques mortais na missão dos EUA na Líbia perante os Republicanos, na abertura de inquérito dos partidários de propaganda anti-Clinton, 23 de outubro de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O WikiLeaks publicou neste domingo (16) o nono lote de e-mails de John Podesta, o atual chefe de campanha da candidata democrata à presidência dos EUA, Hillary Clinton.

O primeiro lote das correspondências eletrônicas roubadas por hackers da caixa postal de Podesta foi divulgada em 8 de outubro. Desde então, a WikiLeaks vem publicando diariamente centenas desses e-mail.

Vladimir Putin fala à então secretária de Estado norte-americano Hillary Clinton na cúpula da APEC, Vladivostok, Rússia, 2012 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Clinton elogiava Putin antes do começo da campanha eleitoral
Parte dessa correspondência indica para uma suposta relação de Clinton com a grande mídia dos EUA. As mensagens sugerem que membros do gabinete democrata impunham a pauta e o conteúdo de notícias relativas à campanha de Clinton, chegando a redigir os artigos publicados sobre ela por diversos veículos de mídia, favorecendo assim a sua candidatura.

Podesta trabalhou com Bill e Hillary Clinton de forma intermitente desde 1993. Ele foi chefe de gabinete da Casa Branca entre 1998 e 2001, durante a segunda parte do mandato presidencial de Bill Clinton, e entre janeiro de 2014 e fevereiro 2015 também foi assessor do atual presidente dos EUA, Barack Obama.

Leia também: WikiLeaks: democratas planejavam publicar anúncios de emprego sexistas em nome de Trump

Vale destacar, que no início de outubro o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, prometeu através de uma vídeo-conferência publicar até o final deste ano “informação significativas” sobre governos de três países e as eleições dos EUA.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала