Aumento de quantidade de prisioneiros na América Latina se torna problema grave

© Sputnik / Ivan Rudnev / Abrir o banco de imagensPrisão
Prisão - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
De acordo com dados do Centro Internacional de Estudos Penitenciários, dois países latino-americanos estão entre os cinco com maior população carcerária do mundo.

Presidente dos EUA, Barack Obama, anuncia plano para fechar prisão de Guantánamo - Sputnik Brasil
Casa Branca diz que Obama ainda espera conseguir fechar Guantánamo
O país com mais presos são os Estados Unidos, com 2,2 milhões de pessoas atrás das grades. Na América Latina, o Brasil tem 607.700 presos e o México — 256.941, de acordo com a mesma fonte.

Um dos fatores a ter em conta na hora de analisar esses dados é a capacidade das infraestruturas carcerárias para acomodar os presos. Nesta questão, a região tem uma marca mais do que negativa.

Entre os 10 países com maior população carcerária do mundo, quatro são latino-americanos. O Haiti tem uma taxa de ocupação no sistema prisional de 416%. O Salvador, tem uma taxa de 320%, Venezuela — 270%, Bolívia — 256% e no Paraguai essa população alcança os 131%, segundo dados do Centro Internacional de Estudos Penitenciários da Universidade de Essex (ICPS) citados pelo diário El País.

Ceará adota presídio exclusivo para detentos homossexuais - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Ceará inova e cria presídio gay
"O sistema penal atual se baseia no controle. Nasce com o desenvolvimento da sociedade industrial para tentar controlar os setores que estavam à margem do trabalho assalariado", disse a Sputnik Mundo Luis Pedernera, que integra o Instituto de Estudos Legais e Sociais do Uruguai (Ielsur).

"Uma regra geral de todos os sistemas penais é que eles não atuam sobre todos os sujeitos. Eles não têm capacidade para criminalizar da forma estipulada pelos códigos penais. O que fazem é selecionar, e os encarregados dessa tarefa são principalmente os policiais. As forças de segurança interagem principalmente com setores marginais. Todos estes fatores explicam, em parte, os motivos por que nossas prisões estão cheias de presos com idades entre 18 e 29 anos, jovens, pobres e do sexo masculino", assegurou Pedernera.

O Uruguai tem uma taxa de 300 presos por cada 100.000 habitantes. "São números muito elevados em comparação com a região. O principal motivo é a inflação penal, isto é, a quantidade de normas penais que levaram ao aumento da população carcerária", explicou o especialista.

Detentos - Sputnik Brasil
Paraguai: 120 detentos se amotinam e tomam reféns em prisão de Tacumbú
Segundo ele, no Uruguai desde os anos 90 foram aprovadas normas penais que têm gerado a criação de novos crimes, que são responsáveis por esta situação. O caso emblemático é o da roubo com força, que passou a ter uma pena mínima de quatro anos.

"A maior parte da população em nossas prisões está lá por crimes contra a propriedade", disse Luis Pedernera.

"O crescimento prisional não tem uma relação com o aumento dos delitos. O crime não tem uma realidade ontológica, mas é criado, e a partir daí se amplia a margem de criminalização", concluiu Pedernera.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала