EUA responderão ‘na mesma moeda’ aos ataques contra seus navios na costa do Iêmen

© AFP 2022 / GOGO LOBATODestróier norte-americano USS Donald Cook no porto de Rota, Espanha, fevereiro de 2014 (foto de arquivo)
Destróier norte-americano USS Donald Cook no porto de Rota, Espanha, fevereiro de 2014 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O porta-voz do Pentágono, Peter Cook, declarou hoje (12) que os EUA reservam para si o direito de responder “da mesma maneira” aos bombardeios de seus navios militares da costa do Iêmen.

“Aqueles que ameaçam as nossas forças deve saber que o comando dos EUA reserva para si o direito de defender seus navios. E nós responderemos a essas ameaças em tempo certo e de forma devida” – disse o representante do Pentágono.

Destroier norte-americano USS Mason atravessa o canal de Suez perto da cidade portuária Ismailia, Egito, 2011 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Destróier americano atacado próximo do litoral iemenita
A declaração foi feita por Cook em consequência de novo ataque realizado hoje contra um navio da Marinha americana na costa do Iêmen, sendo o segundo dos últimos dias. O primeiro bombardeio teria acontecido na segunda-feira (10).

Acredita-se que os mísseis tenham sido lançados a partir do território dos houthis, que controlam também a capital e contam com o apoio do Irã no conflito com a Arábia Saudita e a sua coligação, apoiada pelos EUA. Os hostis, no entanto, negaram a autoria do primeiro ataque no início desta semana.

Militar da Força Aérea dos EUA - Sputnik Brasil
Quanto custa 'apoiar' o Oriente Médio: 5 maiores erros militares do exército dos EUA
Realizando um ataque de retaliação, os EUA corre o risco de se envolver em mais "um conflito cada vez mais feio e complicado" opina o canal.

Os combates no Iêmen levaram a uma situação humanitária "catastrófica": cerca de 20 milhões de pessoas, segundo as estimativas da ONU, tendo causado a morte de mais de 4.000 civis após o início dos ataques da Arábia Saudita em março de 2015. A última tragédia aconteceu no dia 8 de outubro, quando um ataque aéreo da coalizão contra uma cerimônia fúnebre matou 140 pessoas e feriu mais de 500.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала