Um ano da operação russa na Síria permitiu estabilizar situação no país

© Sputnik / Maksim BlinovSu-34 é um caça-bombardeiro russo avançado. Su-34 foi projetado inicialmente para ataque contra alvos terrestres e navais, assim como para reconhecimento aéreo.
Su-34 é um caça-bombardeiro russo avançado. Su-34 foi projetado inicialmente para ataque contra alvos terrestres e navais, assim como para reconhecimento aéreo. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Durante um ano da operação aérea russa na Síria foi libertada uma grande parte do território sírio, afirmou na quinta-feira (6) o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu.

"Há um ano que as nossas Forças Armadas realizam missões de combate na República Árabe Síria. No tempo decorrido,  conseguiram estabilizar a situação no país, libertar uma parte significativa do seu território dos grupos armados de terroristas internacionais, organizar o trabalho do Centro russo de Reconciliação das Partes Beligerantes", disse o ministro na conferência técnico-militar dedicada às novas armas no contexto da experiência de combate na Síria.

Avião militar russo Su-30 aterrissa na base aérea russa de Hmeymim na Síria, maio de 2016 - Sputnik Brasil
Um ano da operação russa: Pilotos dispersam terroristas com manobras de alta pilotagem
Shoigu lembrou que "durante a operação, a Força Aeroespacial alvejou locais de concentração de militantes e sua infraestrutura, forneceu cargas humanitárias para a população síria e resolveu outras tarefas importantes".

"[As Forças Armadas] ganharam experiência de fazer fogo com o uso de armas de alta precisão e de grande alcance a partir de navios de superfície e submarinos nos mares Cáspio e Mediterrâneo. Aeronaves da aviação estratégica utilizaram pela primeira vez, em condições de combate real, novos mísseis X-101 lançados do ar com o alcance de até 4,5 mil km", disse Shoigu.

Além disso, o militar russo sublinhou que muitos tipos de armas russas foram testados em condições difíceis de deserto e demonstraram a sua segurança e eficiência. Shoigu acrescentou que as empresas militares russas devem ter em conta a experiência síria no desenvolvimento de novas armas.

Grupo aéreo russo na base de Hmeymim, na Síria - Sputnik Brasil
Síria já não existiria, se Rússia não tivesse intervindo
A Rússia lançou uma operação aérea contra as posições terroristas na Síria em 30 de setembro de 2015 a pedido do presidente sírio Bashar Assad. Desde essa altura e até março de 2016 a aviação russa realizou mais de 9 mil missões contra o grupo terrorista proibido na Rússia, apoiando Damasco em ofensivas em regiões-chave do país.

Em março, o presidente russo Vladimir Putin tomou a decisão de retirar a maior parte das forças russas depois de terem completado suas missões na Síria. Ao mesmo tempo, a Rússia não abandonou as suas obrigações de fornecer ao governo sírio armas e equipamento militar e treinar especialistas militares. A base área de Hmeymim, bem como instalações navais do porto de Tartus, continuam operacionais, enquanto os sistemas de defesa antiaérea protegem os militares russos na Síria, um país que continua mergulhado na guerra.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала