Bombardeiros russos interceptados pela França geram pânico na mídia ocidental

© Sputnik / Mikhail FomichevTu-160 (Cisne branco) é um bombardeiro estratégico supersônico. Embora várias aeronaves de transporte civis e militares tenham dimensões maiores, o Tu-160 é a maior aeronave de combate, maior aeronave supersônica e maior aeronave com asas de geometria variável.
Tu-160 (Cisne branco) é um bombardeiro estratégico supersônico. Embora várias aeronaves de transporte civis e militares tenham dimensões maiores, o Tu-160 é a maior aeronave de combate, maior aeronave supersônica e maior aeronave com asas de geometria variável. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Ministério da Defesa francês emitiu uma declaração oficial dizendo que dois caças franceses F-16 tiveram que interceptar e acompanhar bombardeiros russos depois que eles foram detectados voando perto das fronteiras da UE. Em entrevista à Sputnik, o especialista militar francês Jean-Vincent Brisset comentou o incidente.

Bombardeiros russos Tu-160 durante patrulhamento aéreo - Sputnik Brasil
Ministério da Defesa russo: aproximação dos aviões é fruto da imaginação da Islândia
De acordo com o lado francês, as aeronaves russas estavam voando da Escandinávia e "ao largo da costa da Noruega, depois para o oeste da Irlanda e de lá para a costa atlântica francesa".

O incidente, que ocorreu em 22 de setembro, causou pânico entre os meios de comunicação franceses, que começaram a tecer paralelos com "incidentes semelhantes" na Suécia, na Finlândia e nos países bálticos, onde o comportamento dos aviões russos poderia "provocar acidentes graves". 

A Sputnik discutiu a questão com o especialista militar francês Jean-Vincent Brisset. 

"De acordo com o Ministério da Defesa, eles [os bombardeiros] foram detectados na zona internacional, sobre águas internacionais muito além do espaço aéreo soberano da França", disse ele. 

"A mídia francesa têm falado muito sobre as aeronaves russas perto das fronteiras dos países ocidentais e nada sobre aviões da OTAN que voam ao longo das fronteiras russas. O mais provável é que a situação seja simétrica em ambos os lados", acrescentou Brisset. 

Segundo o especialista, o incidente causou tensão entre os países europeus e a Rússia, mas não há nada que chegue perto de uma "terceira guerra mundial", que a mídia francesa esteve tão ansiosamente prevendo. 

"É apenas uma questão de interceptação de aeronaves russas por aeronaves francesas. Os relatos dizem pouco sobre o envolvimento de outros países. Além disso, eles também se esquecem de mencionar que as aeronaves francesas estão vigiando o espaço aéreo dos países bálticos, que estão localizados muito perto das fronteiras russas", concluiu Brisset.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала