Analista: ‘EUA conduzem política à beira da esquizofrenia na Síria’

© @FuriousKurdSoldados dos EUA usando símbolos bordados das Unidades de Proteção Popular (YPG) curdas no norte da Síria
Soldados dos EUA usando símbolos bordados das Unidades de Proteção Popular (YPG) curdas no norte da Síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os EUA conduzem uma política à beira da esquizofrenia, disse à agência Sputnik o ex-analista da CIA e funcionário aposentado do Departamento de Estado, Larry Johnson.

Jihadistas de Frente al-Nusra affiliada a Al-Qaeda's entram na cidade de Alepo no norte da Síria - Sputnik Brasil
Departamento de Estado explica por que EUA não atacam Frente al-Nusra
“Os EUA dizem apoiar de modo ativo a ideia do combate ao terrorismo, mas ao mesmo tempo envia recursos financeiros e armas para os terrorista. Esse tipo de política, que beira a esquizofrenia, é um dos obstáculos no caminho da cooperação de Moscou e de Washington para a solução da crise na Síria”, disse Johnson.

“O apoio mútuo nessa questão é um fator crítico para alcançar o objetivo”, disse o interlocutor da Sputnik, mas “no dueto de Moscou e Washington, o lado americano que está sendo uma ‘criança problemática’”.

Militantes rebeldes da oposição síria - Sputnik Brasil
Quem cala consente? EUA se recusam a falar se fornecem armas à oposição síria
O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, declarou na última quinta-feira que Washington está à beira de interromper a cooperação com Moscou sobre a Síria por conta da ofensiva das forças governamentais sírias em Aleppo, apoiada pelas forças aeroespaciais russas.

O porta-voz presidencial russo, Dmitry Peskov, lamentou a "retórica de caráter não construtivo" por parte dos EUA nos últimos dias. Ele acrescentou que "Moscou preserva o interesse na cooperação com Washington sobre a Síria".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала