Reino Unido se junta às manobras contra Coreia do Norte

© AFP 2022 / JUNG YEON-JEMilitar norte-americano na base aérea de Osan na Coreia do Sul, 1 de janeiro de 2016
Militar norte-americano na base aérea de Osan na Coreia do Sul, 1 de janeiro de 2016 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Pela primeira vez o Reino Unido se juntará às manobras dos EUA e da Coreia do Sul contra a Coreia do Norte, informou hoje (29) a agência Yonhap.

Lançadores múltiplos de foguetes vistos quando estavam disparando durante um treinamento em lugar desconhecido da Coreia do Norte. - Sputnik Brasil
Opinião: Coreia do Norte é o país mais perigoso do mundo com líder inexperiente
As manobras aéreas Invincible Shield (Escudo Invisível) estão previstas para 4- 10 de novembro, na base aérea de Osan em Pyeongtaek, a cerca de 70 quilômetros ao sul de Seul.

"Os treinamentos Invincible Shield visam não apenas aumentar a capacidade dos aliados de atacar alvos militares e governamentais da Coreia do Norte, mas também interceptar caças do Norte", declarou um representante da Força Aérea da Coreia do Sul, citado pela agência.

Segundo ele, "por meio de tais manobras os três países serão capazes de verificar a compatibilidade de suas armas e reforçar a interação em caso de conflito na península coreana".

De acordo com a Yonhap, o Reino Unido planeja usar nos treinamentos os seus caças Eurofighter Typhoon, o avião de longo curso Voyager e o avião de transporte C-17 Globemaster. Os EUA e a Coreia do Sul utilizam caças F-15K, KF-16 e F-16.

Sistema antimisiles THAAD - Sputnik Brasil
EUA querem acelerar instalação de escudo antimísseis na Coreia do Sul
Como foi relatado anteriormente, em 5 de setembro na Coreia do Norte foram testados com êxito três mísseis balísticos, que atingiram a zona de defesa aérea do Japão. Após ter voado cerca de mil quilômetros, os mísseis atingiram os alvos no mar com precisão, tendo o possível desvio sido de apenas um quilômetro. Após isso, em 9 de setembro, Pyongyang realizou o quinto teste nuclear, apesar da proibição do lado do Conselho de Segurança da ONU. Isso causou uma forte reação no mundo e aumentou a atividade militar na Coreia do Sul, onde os EUA mantêm permanente cerca de 28 mil dos seus soldados, sob o pretexto de proteger contra ameaça de Pyongyang.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала