WSJ: Clinton levou relações com Rússia até o nível mais baixo

© AFP 2022 / SAUL LOEBEx-secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton durante a audência na comissão especial pelo caso de Benghazi, 22 de outubro de 2015
Ex-secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton durante a audência na comissão especial pelo caso de Benghazi, 22 de outubro de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Política de Clinton se tornou um desastre para as relações bilaterais.

Republican US presidential nominee Donald Trump and Democratic U.S. presidential nominee Hillary Clinton greet one another as they take the stage for their first debate at Hofstra University in Hempstead, New York, U.S. September 26, 2016. - Sputnik Brasil
Debate entre Trump e Clinton bate recorde de audiência
As relações entre a presidenciável norte-americana Hillary Clinton e Moscou atingiram o nível mais baixo em 2011, quando a então secretária de Estado dos EUA condenou publicamente as eleições parlamentares russas, depois de uma tentativa fracassada de ‘reset’ das relações russo-americanas, afirmou o jornal The Wall Street Journal.

Durante os debates presidenciais desta segunda-feira (26), Hillary Clinton declarou que não confia no presidente russo e que essa desconfiança é mútua. Segundo ex-diplomatas russos, Moscou considera como uma ameaça os programas de Clinton para a "proliferação da democracia".

"Clinton é a encarnação de um rumo de intervencionismo liberal bem definido", disse ao The Wall Street Journal o cientista político russo e editor-chefe da revista Rússia na Política Global Fyodor Lukyanov. "A Rússia vê nisso uma ameaça."

Além das diferenças de visões políticas, a hostilidade nas relações entre Clinton e Moscou foi provocada por uma série de incidentes pessoais.

"Clinton nunca gostou de trabalhar com Putin ou Lavrov. Penso que este sentimento é mútuo", disse Lukyanov.

Democratic presidential candidate Hillary Clinton speaks at Johnstown Wire Technologies in Johnstown, Pennsylvania, July 30, 2016. - Sputnik Brasil
FBI: Clinton deixou documentos secretos em hotel russo quando era secretária de Estado
Quando a política encabeçou o Departamento de Estado norte-americano em 2009, uma das suas primeiras tarefas foi o "reset" das relações bilaterais. Tudo terminou com uma situação pouco confortável – ao invés da palavra "reinício" o botão oferecido por Clinton a Lavrov dizia "sobrecarga".

Apesar de situação confusa, Clinton e Lavrov conseguiram pressionar o botão perante as câmeras. Entretanto, quatro anos depois, quando o seu termo de secretária de Estado estava terminando, ela escreveu uma carta privada ao presidente Barack Obama dizendo que as relações com a Rússia atingiram o nível mais baixo.

Na sua autobiografia, Clinton disse que depois da sua reação às eleições parlamentares de 2011 Putin ficou indignado. O Kremlin pensa que assim Clinton provocou protestos no país. Alguns analistas afirmam que uma das razões para essa animosidade pode ser o fato de o Kremlin não querer que os EUA sejam encabeçados por uma mulher. A política russa é dominada por homens e uma mulher presidenta pode ser considerada como uma ameaça.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала