5 inventos revolucionários que na verdade são um engano

© AFP 2022 / ALAIN JOCARD / Abrir o banco de imagensPlaca-mãe
Placa-mãe - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Nas últimas décadas, o rápido avanço da tecnologia mudou a forma como vivemos e interagimos com o mundo ao nosso redor. No entanto, muitas das "promessas" tecnológicas dos últimos tempos, não deixam de ser um mero engano.

1. Virar um peixe

As novas brânquias artificiais Triton prometiam converter seus usuários em peixes capazes de respirar debaixo de água. O dispositivo afirmava tirar o oxigênio da água e permitir às pessoas respirarem nas profundezas do mar sem o uso de equipamento de mergulho. Não obstante, a revolucionária máscara de mergulho era apenas um conceito, o qual ainda está longe de se tornar realidade.

2. Obter energia elétrica a partir de rodovias

A ideia de obter energia elétrica a partir de rodovias parecia muito promissora. As estradas solares capazes de absorver os raios solares e transformá-los em eletricidade seriam incríveis, se não fosse pelo seu elevado custo. Além disso, para funcionar adequadamente, precisam estar sempre limpas e mudar de posição, o que é pouco prático em grande escala.

#happy4th of July #solarroadies! #solarfreakinroadways

Фото опубликовано Scott Julie Brusaw (@official_solar_roadways) Июл 4 2016 в 4:12 PDT

3. Ter as horas na palma das mãos

O relógio Ritot prometia ser o primeiro relógio projetado. Não só as horas, mas também os e-mails, mensagens e outras informações podiam ser exibidos com luzes de diferentes cores nas costas da mão do seu usuário. No entanto, muitos internautas têm relatado que a tecnologia necessária para realizar essas tarefas precisaria de mais espaço do que somente uma pequena pulseira de relógio.

4. Ser o seu próprio médico

A pulseira inteligente GoBe afirmava ser a "única forma de medir automaticamente, através de sua pele, as calorias que consome e queima". A companhia declarou ser capaz de estimar a quantidade de calorias tomadas, os níveis de açúcar no sangue, o grau de stress e o estado de hidratação de uma pessoa com base no volume de água das células detectado pela pulseira. Não obstante, os fundamentos científicos por trás do aparelho são um pouco questionáveis, já que, do ponto de vista biológico, estes cálculos não têm sentido.

5. Transformar o ar em água

Kristof Retezar, um designer industrial da Áustria, afirmava que seu invento era capaz de transformar o ar em água. As garrafas Fontus, que se enchem automaticamente, poderiam acabar com o problema da água potável do mundo. No entanto, o engenheiro David Jones provou que a invenção precisaria de um ambiente com umidade superior a 90% e uma temperatura de 40 graus para se poder encher em um período de duas horas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала