Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Pesquisa comprova: armas de fogo matam 2,6 vezes mais negros que brancos

© Fernando Frazão/Agência BrasilConflito na desocupação da Favela do Metrô-Mangueira no Rio
Conflito na desocupação da Favela do Metrô-Mangueira no Rio - Sputnik Brasil
Nos siga no
Dados levantados pelo Mapa da Violência nos anos 2013 e 2014 mostraram o que todos já sabiam: o número de pessoas negras mortas por armas de fogo no Brasil é 2,6 vezes maior que o de pessoas brancas.

O levantamento mostrou igualmente, que, no mesmo período, enquanto houve queda de 27% nas taxas de mortalidade de brancos por esta causa, houve aumento de 9,9% nas de negros.

Conforme o estudo, no ano de 2003, em números absolutos foram 13.224 homicídios por armas de fogo que vitimaram pessoas brancas, e, em 2014, esse número caiu para 9.766. Em contrapartida, o número de vítimas negras passou de 20.291 para 29.813. Entre os brancos a taxa de mortos a cada 100 mil habitantes caiu de 14,5 para 10,6 e entre os negros saltou de 24,9 para 27,4.

O estudo aponta ainda que, historicamente, as mortes por armas de fogo são concentradas entre jovens de 15 a 29 anos, e que 94,4% dos brasileiros mortos por armas de fogo são homens. 

Mulheres - Sputnik Brasil
A cada duas horas, uma mulher é vítima de agressão sexual no Estado do Rio
O Mapa da Violência compõe desde 1998 uma série de estudos feitos pelo pesquisador Julio Jacobo Waiselfisz, tendo como temática a violência no Brasil. Waiselfisz é vinculado à Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso).

Para o vice-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio Lima, entrevistado pela Agência Brasil, a questão racial no Brasil precisa ser encarada de frente.

“Temos um problema racial grave que permite que negros sejam mais mortos que brancos, o estado precisa mostrar que não há racismo fazendo com que o risco da população seja pequeno e seja igual para todos os segmentos, cores/raças” – diz o especialista.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала