Prisões da Síria mataram quase 18 mil pessoas entre 2011 e 2015

© AFP 2022 / MLADEN ANTONOVGuantánamo
Guantánamo - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Ao menos 17,7 mil pessoas morreram em prisões sírias entre o início do conflito, em março de 2011, e dezembro de 2015, informou a organização de direitos humanos Anistia Internacional.

"Foram mais de 300 mortes por mês. Dados da Anistia Internacional, mostram que por décadas, antes de 2011, a média de mortes de detentos em prisões na Síria era de cerca de 45 pessoas por ano – aproximadamente 3 a 4 mortes por mês" – diz o relatório da organização.

O relatório denuncia maus tratos aos presos, com superlotação de celas, espancamentos em "todas as etapas da detenção", recusa de assistência médica, falta de saneamento e comida.

This picture provided by The International Committee of the Red Cross (ICRC), working alongside the Syrian Arab Red Crescent (SARC) and the United Nations (UN), shows a convoy containing food, medical items, blankets and other materials being delivered to the town of Madaya in Syria, Monday, Jan. 11, 2016 - Sputnik Brasil
Assédio de cidades sírias pode ser classificado como crime contra a humanidade
De acordo com a Anistia Internacional, que estiveram detidas em   diversos presídios do país contam que eram proibidos de falar ou sequer olhar para os agentes penitenciários, que os tratavam frequentemente com humilhações verbais ou físicas. A fome os forçava muitas vezes a comer cascas de laranjas ou caroços de azeitonas.

A organização fez um apelo à comunidade internacional, em particular "à Rússia e aos EUA, como líderes das conversações pela paz na Síria, para levantar esta questão nos debates e forças as autoridades locais e órgãos militares a acabar com as torturas e outros tipos de maus tratos".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала