Primeira visita de navio dos EUA ao porto chinês após decisão sobre mar do Sul da China

Nos siga noTelegram
Na manhã desta segunda-feira, o destróier USS Benfold, da marinha norte-americana, chegou ao porto da cidade chinesa Qingdao.

É a primeira vez que isso acontece desde a decisão apresentada pelo tribunal de arbitragem de Haia. Segundo veredicto, a China não deve ter pretensões territoriais no mar do Sul da China, zona de grande importância estratégica.  

As informações são da agência de notícias Associated Press.

A visita do navio dos EUA tem por objetivo estabelecer relações com a marinha chinesa, informa Justin Hearts, representante da marinha norte-americana.

Segundo ele, o Comando do Pacífico das forças armadas dos EUA é responsável por solucionar questões de possíveis tensões no mar do Sul da China.

Ilha Thitu do arquipélago Spratly no Mar do Sul da China - Sputnik Brasil
Rússia e China pretendem realizar exercícios navais conjuntos no Mar do Sul da China
China e vários outros países da região, inclusive Japão, Vietnã e Filipinas, possuem discordâncias quanto às fronteiras marítimas e zonas de responsabilidade no mar do Sul da China e mar da China Oriental. As autoridades chinesas acreditam que as Filipinas e o Vietnã usam propositalmente apoio norte-americano para aumentar tensões na região.

Em janeiro de 2013, as Filipinas, unilateralmente, apresentaram uma queixa ao tribunal de arbitragem a fim de resolver assuntos em torno da disputa territorial no mar do Sul da China. Desde o início, a China anunciou que não acatará com o veredicto, pois considera, essa queixa unilateral, ilegítima.

Cidade de Sansha na ilha de Yongxing, também conhecida como ilha de Woody, no Mar do Sul da China - Sputnik Brasil
Analista: países envolvidos nas negociações sobre mar do Sul da China precisam de esfriar
As Filipinas afirmam ter tentado várias vezes, sem sucesso, solucionar a disputa por meio de negociações com a China. Sendo assim, Manila se viu obrigado a levar o caso ao tribunal de arbitragem.

Vale lembrar que em meados de julho, a Corte Permanente de Arbitragem de Haia determinou que a China não possui base legal para reclamar seus direitos históricos sobre o mar do Sul da China nos limites da “linha das nove raias”. Em resposta, a China anunciou que não reconhece e nem aceita a decisão. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала