Sanções antirrussas favorecem China que suplanta Europa no mercado russo

© AFP 2022 / Kirill KudryavtsevO presidente chinês Xi Jinping e o presidente russo Vladimir Putin durante a cerimônia de assinatura de documentos em Kremlin, Moscou, 8 maio de 2015
O presidente chinês Xi Jinping e o presidente russo Vladimir Putin durante a cerimônia de assinatura de documentos em Kremlin, Moscou, 8 maio de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Como as exportações europeias para a Rússia diminuíram por causa das sanções antirrussas, as empresas chinesas aproveitaram a oportunidade se instalarando no mercado russo e preenchendo nichos abandonados por seus concorrentes europeus.

Grupo Fosun - Sputnik Brasil
Negócio fechado: Fosun confirma compra da Rio Bravo
As tensões entre Moscou e Bruxelas levaram a que as empresas russas preferissem produtos manufaturados chineses aos europeus. Se Moscou e Pequim continuarem estreitando suas relações bilaterais, haverá garantia que os chineses suplantarão seus concorrente europeus no mercado russo, informou o jornal austríaco Wirtschaftsblatt.

A implementação de sanções contra a Rússia e o embargo alimentício de retaliação introduzido por Moscou custaram à União Europeia cerca de 11 bilhões de euros, conforme as informações do Instituto de Estudos Econômicos Internacionais de Viena. As sanções provocaram a queda de exportações europeias para a Rússia de 103 em 2014 para 74 bilhões de euros em 2015. O pior cenário, que inclui a terminação dos fornecimentos de gás e congelamento de propriedade russa no Ocidente, pode agravar a situação ainda mais reduzindo para um total de 55 bilhões de euros, avisou o instituto.

Entretanto, o centro de pesquisa Bruegel informou que a parte dos produtos chineses nas importações russas aumentou de 5% em 2000 para 25% em 2014 e continua crescendo, enquanto a parte dos produtos europeus baixou de 70% para 55%.

Moeda de rublo em frente ao Kremlin, em Moscou - Sputnik Brasil
Rússia supera sanções e estabiliza a economia – garante especialista americano
Especialistas do Bruegel afirmam que as medidas implementadas pela União Europeia, que foi o maior parceiro comercial da Rússia no passado, perderam a sua eficácia. Eles indicam que muitas empresas chinesas e europeias exportam um número significativo de produtos iguais para a Rússia – veículos, equipamento eletrônico, máquinas – isso os torna em concorrentes.

No entanto, a Europa deve continuar modernizando suas capacidades industriais e aspirar à competitividade máxima, concluiu o Wirtschaftsblatt.

As relações entre a Rússia e o Ocidente ficaram prejudicadas em consequência da crise na Ucrânia. No final de julho de 2014, a UE e os EUA, depois de instaurar sanções pontuais contra empresas e pessoas físicas, adotaram sanções contra setores inteiros da economia russa. Em resposta, a Rússia decretou um embargo aos produtos agrícolas de países que adotaram sanções contra o país.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала