Os 4 porquês dos aliados não quererem gastar com OTAN

© AFP 2022 / JOHN THYSMinistros das Relações Exteriores posam para foto durante a reunião na sede da OTAN em Bruxelas, Bélgica, 19 de maio de 2016
Ministros das Relações Exteriores posam para foto durante a reunião na sede da OTAN em Bruxelas, Bélgica, 19 de maio de 2016 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os europeus não estão interessados em cobrir as despesas da OTAN, informou a emissora norte-americana NBC.

Treinamento muilitar conjunto da Rússia e Bielorrússia - Sputnik Brasil
Nova doutrina militar da Bielorrússia preocupada com OTAN
O presidenciável norte-americano do Partido Republicano Donald Trump não é o primeiro declarando que os países da OTAN nem sempre cumprem suas obrigações financeiras. Segundo a NBC, o bilionário tem razão porque os membros da Aliança têm algumas razões para não pagar sua "justa parte".

A primeira razão é a falta de disciplina, porque o princípio fundamental da OTAN que todos os países devem gastar na defesa 2% do seu PIB não é respeitado.

Com efeito, somente os EUA, o Reino Unido, a Grécia, a Estônia e a Polônia, cumprem a norma necessária, diz o artigo. Os outros países não podem gastar muito em defesa porque têm grandes despesas com saúde e pensões para a população envelhecida, essa é a segunda razão.

Republican presidential candidate Donald Trump signs autographs for supporters at the conclusion of a Donald Trump rally at Millington Regional Jetport on February 27, 2016 in Millington, Tennessee - Sputnik Brasil
Apelo de Trump à Rússia é visto como alta traição aos EUA
Além disso, o valor de 2% do PIB provoca discussões entre os 28 membros da Aliança. Muitos pensam que mais importante que se fixarem números concretos, se devia gastar de forma eficiente.

Outra razão é que os EUA lucram com o fato de serem o maior ator da Aliança contribuindo com a maior parte.

"Enfraquecer sua liderança da OTAN não é do interesse dos EUA porque a desordem que aí será iniciada por causa de um afastamento norte-americano seria uma ameaça para os próprios EUA. Para reestabelecer a ordem serão necessários maiores recursos financeiros e militares", declarou o chefe do Centro de Estudos Transatlânticos do Instituto de Segurança norueguês, Magnus Petersson.

Entretanto, muitos especialistas estão de acordo com Trump. Em particular, o ex-embaixador húngaro nos EUA e na OTAN, Andras Simonyi, considera que Washington deve colocar a questão das contribuições perante seus aliados. Na sua opinião, os europeus devem estar preparados para uma linha rígida independentemente do candidato que se tornará no novo presidente dos EUA.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала