Espanha precisa de prazo extra para atingir a meta do déficit

© AFP 2022 / JOHN THYS Ministro espanhol, Luis de Guindos fala com o seu homólogo grego em Luxemburgo, 16 de junho de 2016
Ministro espanhol, Luis de Guindos fala com o seu homólogo grego em Luxemburgo, 16 de junho de 2016 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O ministro das Finanças espanhol em função Luis de Guindos visitará a China, onde planeja começar negociações com o comissário responsável pela Economia e Assuntos Financeiros da União Europeia Pierre Moscovici.

Luis de Guindos pretende pedir mais dois anos (até 2018) para que o país possa cumprir a meta do déficit.

O Executivo espanhol considera que a evolução das receitas "é pior do que o esperado" e por isso prefere mais prazo para atingir os números do déficit.

Este anúncio ocorre apenas uma semana antes de a Comissão se pronunciar sobre o montante da multa que será aplicada a Espanha e Portugal por terem excedido o teto do déficit marcado por Bruxelas para o ano de 2015.

Bandeiras de Portugal e Espanha em varandas em uma rua estreita em Lisboa - Sputnik Brasil
Bruxelas decreta sanções contra Portugal e Espanha
De acordo com o El País, o ministro das Finanças espanhol deverá começar as negociações com o Comissário Europeu dos Assuntos Econômicos e Financeiros Pierre Moscovici sobre anos adicionais para reduzir o déficit para baixo dos 2%.

Antes, Valdis Dombrovskis, o vice-presidente da Comissão Europeia responsável pela pasta do euro, apresentou uma proposta de congelamento dos fundos estruturais para Espanha e Portugal por causa da derrapagem orçamental no ano de 2015.

Em 2015, o déficit da Espanha foi de 5,4 por cento do seu PIB (Produto Interno Bruto), demonstrando uma redução dramática de 10,4 por cento em 2012. Portugal reduziu seu déficit nacional também de 10 por cento em 2014 para 4,4 por cento em 2015. No entanto, estes êxitos não foram suficientes para alcançar o limite de 3 por cento exigido pela União Europeia.

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, é aplaudido pelo presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, antes de se dirigir aos eurodeputados em 13 de abril de 2016 - Sputnik Brasil
Sanções provocam movimento pela saída de Portugal da União Europeia
Segundo as regras do Tratado Orçamental, a Comissão pode impor penalidades de até 0,2 por cento do PIB nacional, um direito que nunca foi usado. Ao impor as sanções agora, logo após o Brexit, a Comissão Europeia encoraja o euroceticismo entre os países membros, notou o primeiro-ministro português António Costa.

A próxima reunião do G20 será realizada nos dias 24-25 de julho na China.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала