'Eu culpo Tony Blair pela morte do meu filho'

© REUTERS / Stefan RousseauFoto de arquivo. Soldatos britânicos reunem-se com o primeiro-ministro britânico Tony Blair no Iraque. Maio, 29, 2003
Foto de arquivo. Soldatos britânicos reunem-se com o primeiro-ministro britânico Tony Blair no Iraque. Maio, 29, 2003 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Hoje (6), foi publicado um relatório sobre a participação da Grã-Bretanha na campanha militar no Iraque. Neste dia, os parentes dos militares mortos terão finalmente acesso ao seu conteúdo. O documento tem 2,6 milhões de palavras e está disponível na Internet. É uma versão sucinta, para ler a cópia de papel, eles terão de pagar £ 767.

A Sputnik falou com Janice Procter, cujo filho Michael Trench era um dos soldados britânicos mais jovens. Ele morreu no Iraque com 18 anos em 2007.

Em junho de 2009, foi criada uma comissão parlamentar liderada por John Chilcot, ex-vice-ministro do Interior britânico para esclarecer as circunstâncias do envolvimento britânico na guerra.

"Eu pensei quando Sir John Chilcot aderiu ao processo — é isso, vamos finalmente obter algumas respostas e eu serei capaz de acalmar os demônios e suportar a morte de meu filho, mas eu não consigo vê-lo acontecendo. Não estou esperando nada, além de uma versão mais longa com mais mentiras", disse a mãe do soltado morto.

Soldados da artilharia britânica recebem um canhão lançado do helicóptero, península Fao, sul do Iraque, março de 2003 - Sputnik Brasil
Pesquisa: Reino Unido entrou na guerra no Iraque antes disso ser o último recurso
Inicialmente, se previa que os resultados da investigação seriam divulgados dentro de 12-18 meses. No entanto, o prazo-limite foi adiado muitas vezes. O inquérito custou aos contribuintes britânicos £ 10 milhões.

"Como vocês pedem desculpa aos mortos? Como vocês pedem desculpa a seus pais? Se fosse uma guerra legítima, por que o atraso é tão longo, por que as declarações foram alteradas?", afirma Janice Procter.

Tendo protegido a campanha militar no Iraque, em outubro de 2015 Tony Blair, ex-premiê britânico, admitiu em entrevista à CNN que a invasão das forças norte-americanas e seus aliados foi uma das principais razões para o surgimento do Daesh (Estado Islâmico) e pediu desculpa pelos seus erros. 

"Eu culpo Tony Blair pela morte do meu filho. Tony Blair enviou-os, Tony Blair fez os acordos, e ele enviou os nossos filhos para o massacre”, declarou a mãe de Michael Trench, que teve de educar dois netos após a morte do filho.

© Foto / Janice ProcterMichael Trench, um dos soldados britânicos mais jovens que morreu no Iraque em 2007
Michael Trench, um dos soldados britânicos mais jovens que morreu no Iraque em 2007 - Sputnik Brasil
Michael Trench, um dos soldados britânicos mais jovens que morreu no Iraque em 2007

Ex-premiê britânico Tony Blair e ex-presidente norte-americano George W. Bush - Sputnik Brasil
Ex-premiê britânico reconhece que EI apareceu após invasão do Iraque
“Poderia aceitar isso se a guerra tivesse sido legítima, se tivesse morrido pela Rainha e pelo país; eles morreram como heróis, mas muitas áreas não são legais: as acusações de armas de destruição maciça, a falta de equipamentos. Somos deixados com ninguém respondendo às perguntas e ninguém expondo a verdade", adicionou Janice Procter.

Segundo os especialistas britânicos, desta vez Tony Blair não poderá sair incólume. O inquérito vai prejudicar gravemente sua reputação.

"Se os filhos de Tony Blair fossem enviados para a frente como os nossos filhos, ele teria que lutar a mesma luta que nós e esperar tanto tempo por um relatório? Acho que não. Porque é que existem umas regras para nós e outas regras para ele? O que faz ele estar acima da lei?"

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала