Rússia não usaria base turca mesmo que tivesse essa opção

© AP Photo / Krystal Ardrey/Força Aérea dos EUA via APAvião norte-americano decola da base aérea Incirlik, na Turquia
Avião norte-americano decola da base aérea Incirlik, na Turquia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Na segunda-feira (4), a mídia turca citou o chefe da diplomacia da Turquia dizendo que Ancara estava prestes a permitir o uso pela Rússia da base de Incirlik. No mesmo dia, Cavusoglu desmentiu essas informações. Então, Moscou precisa da base para as suas operações antiterroristas?

Base aérea de Incirlik nos arredores da cidade de Adana, sul da Turquia (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Turquia está disposta a autorizar Rússia a usar base militar
A citação controversa do ministro das Relações Exteriores turco Mevlut Cavusoglu é esta: "Vamos cooperar com todos os que combatem o Daesh. Desde o início que estamos combatendo e abrimos a base de Incirlik para os que querem participar desta luta de forma mais ativa. Porque não podemos cooperar do mesmo modo com a Rússia? O Daesh é o inimigo para todos nós e precisamos combatê-lo".

Entretanto, depois de algum tempo, Cavusoglu afirmou que foi mal interpretado e que não se tratava do uso da base turca pela Rússia.

Turkish police block the entrance to Istanbul's Ataturk airport - Sputnik Brasil
Turquia pede ajuda aos EUA para capturar autor de atentado em Istambul
A jornalista da Svobodnaya Pressa, Maria Bezchastnaya, disse que esta não é primeira falsa citação de altos representantes turcos. O primeiro caso foi a carta do presidente turco Recep Tayyip Erdogan para o presidente russo Vladimir Putin. A parte russa considerou o conteúdo como desculpas e a parte turca declarou que se tratava somente de condolências. Depois disso, o primeiro-ministro turco Binali Yildirim disse que a Turquia estava prestes a pagar uma compensação e depois rejeitou suas próprias palavras.

Falando à Svobodnaya Pressa, a presidenta do Centro da Ásia e Oriente Médio do Instituto Russo de Estudos Estratégicos, Anna Glazova, afirmou:

“Quanto às desculpas de Erdogan, as contradições aparentes foram bastante perceptíveis. Por um lado, tinha de pedir desculpas à Rússia, por outro lado, tinha de salvar a face em frente dos seus eleitores e não parecer fraco”, explicou.

Segundo a cientista política, os jornalistas realmente podiam não ter compreendido algo.

"A coisa principal que Cavusoglu confirmou, foi que a Turquia está prestes a cooperar com a Rússia. Avaliando as declarações mais recentes de Ancara, parece que o governo realmente mudou sua política regional, especialmente em relação à Síria", disse.

Presidente russo Vladimir Putin durante a entevista coletiva conjunta com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, Ancara, Turquia, 1 de dezembro de 2014 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Fortalecimento militar da OTAN mina reaproximação entre Rússia e Turquia
Na opinião de Glazova, as mudanças na política turca tocam no fato de a linha política "Assad deve ir embora" trouxe problemas para Ancara. Nomeadamente, um grande número de refugiados e a ameaça dos terroristas no país.

"Parece que agora a Turquia, na verdade, escolheu a linha política de combate ao terrorismo”, disse a analista. Para todos é evidente que a Rússia fez todo o possível para combater o terrorismo e seu apoio é indispensável. 

“Quanto à base de Incirlik, convém recordar que a Turquia negou regularmente a Washington a possibilidade de usar a base. Somente nos tempos mais recentes, permitiram instalar ali a sua coalizão antiterrorista. Quanto à nós, em absoluto não precisamos desta base, porque a Rússia já tem a capacidade suficiente para realizar operações militares na Síria sem ela”, afirmou.

Mausoléu de Ataturk, Ankara, Turquia - Sputnik Brasil
Turquia pode se tornar mãe substituta dos terroristas
Respondendo à questão se é possível confiar na Turquia no que tem a ver com a luta contra o terrorismo, Glazova disse que a Turquia tanto está interessada em derrotar o terrorismo, como está chocada com os numerosos ataques terroristas que ocorrem no país de forma quotidiana. A Turquia tinha de fazer uma escolha entre a luta contra o terrorismo e o apoio ao terrorismo que levou a grandes problemas no país.

"Frequentemente perguntam se as desculpas de Erdogan foram sinceras. Na minha opinião, não há nenhuma sinceridade nelas. É difícil esperar palavras sinceras dos políticos deste tipo. Foi uma questão de pragmatismo", disse Glazova.

Presidente turco Recep Tayyip Erdogan e o presidente norte-americano Barack Obama durante a cúpula do G20 em Antália, Turquia, novembro de 2015 - Sputnik Brasil
Obama elogia últimas ações do presidente turco
Na sua opinião, a situação em torno de área do turismo, que sofreu muito por causa da crise nas relações russo-turcas, fez com que a Turquia travasse seu orgulho.

O especialista Aleksei Obraztsov, do Centro da Escola Superior de Economia de estudos asiáticos e africanos, disse que a Rússia não concordou em usar a base de Incirlik.

“Mesmo que tal proposta seja feita, é pouco provável que a Rússia usasse Incirlik. A base acolhe forças da OTAN, infraestruturas da OTAN. Tendo em conta somente considerações de segurança, seria inapropriado fazer isso”, disse Obraztsov.

Na opinião dele, a normalização com a Rússia deve ser considerada do ponto de vista das suas relações com a Europa e o Ocidente em geral. A Turquia não deixará de apoiar os terroristas de repente, disse.

Antes, a Rússia e a Turquia atingiram um acordo sobre a crise na Síria, inclusive no que respeita à luta contra os militantes da Frente al-Nusra. Durante o encontro com Lavrov, Cavusoglu declarou que a Turquia considera como inimigos, não somente o Daesh, mas também a Frente al-Nusra.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала