Anistia: Washington, Doha, Ancara e Riad apoiam criminosos de guerra

© AP PhotoMilitant group, members of Ahrar al-Sham brigade, one of the Syrian rebels groups
Militant group, members of Ahrar al-Sham brigade, one of the Syrian rebels groups - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Anistia Internacional acusou nesta segunda-feira uma série de grupos rebeldes islamitas de cometerem tortura e execuções sumárias na Síria, exigindo da comunidade internacional a retirada do apoio a movimentos responsáveis por crimes de guerra.

An unidentified photographer stands next to rebel fighters from Jaysh al-Islam (Army of Islam) holding a position behind a sand barrier on August 25, 2015, on the frontline in the Bashkoy area, on the northern outskirts of Aleppo, where opposition fighters are battling Syrian pro-government forces - Sputnik Brasil
Rússia reporta quatro violações do regime de cessar-fogo na Síria
A organização de defesa dos direitos humanos, com sede em Londres, destacou as atividades desses grupos nas províncias de Aleppo e Idlib, lembrando que alguns deles recebem suporte do "Catar, da Arábia Saudita, da Turquia e dos Estados Unidos".

"Em Aleppo e Idlib, hoje, os grupos armados têm o caminho livre para cometer, sem punição, crimes de guerra e outras violações do direito humanitário internacional". 

De acordo com a Anistia, entre os criminosos de guerra estariam organizações que fazem parte da coalizão islâmica Fatah Halab, o grupo salafista Ahrar al-Sham e os jihadistas da Frente al-Nusra, representante da Al-Qaeda na Síria.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала