Opinião: os EUA não querem regresso à Guerra Fria

© Sputnik / Eduard Pesov / Abrir o banco de imagensSecretário de Estado dos EUA John Kerry e ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov
Secretário de Estado dos EUA John Kerry e ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A retórica agressiva contra a Rússia nos EUA, muito provavelmente, irá em declínio após o fim da campanha presidencial, expressou sua opinião Leonid Gusev do Instituto de Relações Internacionais à emissora Sputnik.

O Congresso dos EUA está considerando a possibilidade de estabelecer um órgão especial para acompanhar as atividades de agentes secretos russos, semelhante ao modelo do grupo de trabalho que existia durante a Guerra Fria, informa o site BuzzFeed News, citando suas fontes no serviço de inteligência dos EUA.

As tarefas da nova estrutura devem incluir, além da divulgação de agentes, o controle sobre o cumprimento das regras de circulação por diplomatas russos nos Estados Unidos, diz o site.

Bandeiras dos EUA e da Rússia - Sputnik Brasil
Planos dos EUA para combater espiões russos remetem à Guerra Fria
Em particular, a agência vai enviar os pedidos ao FBI para o exame obrigatório de todos os pedidos de viagens diplomáticas dentro do raio de 50 milhas do local de trabalho.

Tal explosão emocional pode ser parcialmente explicada pela campanha presidencial, segundo o pesquisador do Instituto de Ralações Internacionais Leonid Gusev.

"Eu acho que tudo isto é feito na véspera da campanha eleitoral. Embora, por outro lado, muitas forças na elite nos EUA têm esta reação à Rússia. Há aqueles que querem se comportar de forma neutra e há esses falcões. Esta tendência permaneceu ao longo das nossas relações", recordou Gusev.

É pouco provável que chegaremos a dificuldades sérias para os diplomatas russos nos EUA, disse ele.

"Não acho que seja algo bastante significativo. Mesmo nos anos mais difíceis da Guerra Fria as relações diplomáticas com os EUA permaneciam no mais alto nível e a nossa embaixada em Washington é uma dos maiores. Mas não podemos excluir quaisquer "picadelas". Por exemplo, eles podem “minar” alguns dos nossos diplomatas. Isso já aconteceu nos anos 80", disse Leonid Gusev.

Russian President Vladimir Putin, right, and U.S. President Barack Obama have a meeting within the framework of the G8 summit in Northern Ireland, 17 June 2013 - Sputnik Brasil
A propósito do desejo dos EUA em reiniciar a Guerra Fria
De acordo com a especialista, a retórica agressiva contra a Rússia, muito provavelmente, começará a declinar após a campanha eleitoral nos Estados Unidos.

"Muitas vezes, os EUA usam a política externa como um poderoso trunfo pré-eleitoral e, também muitas vezes, é uma questão de atitude para com a Rússia. Não é surpreendente. Afinal, a Rússia é a segunda potência militar. Mas depois, quando um novo governo for formado, recomeçará a política real. A retórica será suavizada e a cooperação irá continuar. Afinal de contas, ninguém quer voltar à situação da Guerra Fria, na forma em que ela existiu depois de 1946, pois exige enormes gastos. Então, eu acho que as relações continuarão se desenvolvendo", disse Leonid Gusev.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала