Bebê espacial: NASA descobre novo exoplaneta muito jovem

© Foto / Youtube/caltechEstrela jovem e o seu planeta-bebê (Ilustração)
Estrela jovem e o seu planeta-bebê (Ilustração) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Cientistas da agência espacial dos EUA acabaram de descobrir um exoplaneta recém-nascido perto de uma estrela relativamente jovem, que se calcula ter entre 5 e 10 milhões de anos.

Mariner 10's First Close-Up Photo of Venus - Sputnik Brasil
Astrônomos descobrem por que Vênus ficou sem água
Cientistas da agência espacial dos EUA acabaram de descobrir um exoplaneta recém-nascido perto de uma estrela relativamente jovem, que se calcula ter entre 5 e 10 milhões de anos.

A descoberta ajudará os cientistas a compreender como se formam os planetas e o que levou exatamente ao aparecimento da Terra, além da vida no nosso planeta.

O exoplaneta descoberto é mais jovem que os completamente formados anteriormente observados por cientistas. A descoberta foi feita por cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia (popularmente conhecido como Caltech) que usaram o telescópio espacial Kepler da NASA.

O novo exoplaneta (ou seja, um planeta que orbita qualquer estrela, que não seja o Sol) foi chamada de K2-33b.

Os astronautas do Caltech descobriram e confirmaram a existência de cerca de 3 mil exoplanetas até o momento.

Enquanto isso, quase todos eles têm uma idade média de, pelo menos, um bilhão de anos. O estudo de ciclos dos sistemas planetários com tal idade é, para os cientistas, o mesmo que tentar estudar como bebês se tornam crianças, e depois jovens, apenas estudando indivíduos adultos.

"Com 4,5 bilhões de anos, a Terra é um planeta de média idade — cerca de 45 anos humanos. Para comparação, o planeta K2-33b seria um bebê de somente várias semanas de idade", explicou o pesquisador-chefe do Caltech, Trevor David.

O K2-33b é um planeta grande semelhante aos gigantes gasosos do nosso Sistema Solar, que estão todos muito longe do Sol. Mesmo assim, o bebê recém-descoberto tem seis vezes o tamanho da Terra e faz uma órbita completa em torno da estrela hospedeira em cinco dias.

O coautor da descoberta, Erik Petigura, também sublinhou por que o novo corpo celeste tem tanta importância, considerando que ele ajudará a compreender melhor como se formam os planetas:

"Isso é importante para compreender os processos que levaram à formação da Terra e, mais tarde, às origens da vida."

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала