Policial francês recusa apertar mão de Hollande

© REUTERS / Dominique Faget/PoolUm policial francês se recusou a apertar a mão do presidente do país François Hollande e do primeiro-ministro Manuel Valls durante uma cerimónia de homenagem
Um policial francês se recusou a apertar a mão do presidente do país François Hollande e do primeiro-ministro Manuel Valls durante uma cerimónia de homenagem - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um policial francês se recusou a apertar a mão do presidente do país François Hollande e do primeiro-ministro Manuel Valls durante uma cerimônia de homenagem, informou a emissora RTL nesta sexta (17).

O incidente ocorreu depois de um discurso na cerimônia de homenagem de dois policiais que foram mortos por um atirador.

O presidente Hollande passou ao longo de uma linha de policiais que estavam presentes na cerimônia, apertando as mãos deles. Um dos policiais, de repente, se recusou a oferecer a mão ao presidente, e continuou parado.

Segundo a RTL, o policial também se recusou a apertar a mão do primeiro-ministro Valls, que então se aproximou do policial e supostamente comentou sobre o incidente. A RTL não divulgou mais detalhes.

​Na terça-feira, o ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve, confirmou que o ataque de segunda-feira contra um comandante da polícia e sua família, nos arredores de Paris, tinha sido um ato terrorista.

No começo do dia, a porta-voz do governo francês Stephane Le Foll também confirmou que o esfaqueamento foi "um ataque terrorista".

Veículo da RAID (tropa de elite da polícia francesa) deixa o local da operação em Magnanville, nos arredores de Paris, depois de matar um homem que sequestrou a esposa e o filho de um policial morto a facadas por um homem - Sputnik Brasil
Homem que matou policial nos arredores de Paris jurou lealdade ao Daesh
Na segunda-feira à noite, um assaltante jihadista tinha esfaqueado o comandante da polícia, de 42 anos de idade, Jean-Baptiste Salvaing no subúrbio de Magnanville, no noroeste de Paris, e tomou como reféns o filho da vítima e a mãe do menino Jessica Schneider em sua casa.

O assassino, de acordo com a CNN, foi identificado como Larossi Abballa. Depois de invadir a casa do casal, ele declarou sua lealdade ao grupo terrorista Daesh antes de ser morto pela polícia.

A esposa do comandante também foi morta a facadas, mas a criança foi resgatada.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала