China aprova novo pacote de sanções contra a Coreia do Norte

© AP Photo / Ng Han Guan, FileFronteira da China com a Coreia do Norte
Fronteira da China com a Coreia do Norte - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Ministério do Comércio chinês publicou a lista de mercadorias, tecnologias e equipamento "de duplo destino" que serão proibidas para a exportação à Coreia do Norte no âmbito da resolução 2270 do Conselho da Segurança da ONU.

Em março deste ano, Pequim apoiou o novo pacote de sanções, o mais grave da toda a história das sanções contra a Coreia do Norte, introduzido pela ONU em resposta às ações provocativas de Pyongyang depois da realização de testes nucleares no início do ano.

De acordo com a lista divulgada pelo ministério, a proibição atinge as mercadorias e tecnologias que podem ser usadas para a elaboração de armas nucleares, químicas e biológicas. Já é o segundo grande pacote de sanções introduzido pelas autoridades chinesas depois da resolução do Conselho da Segurança da ONU.

South Korea's navy ships patrol near Yeonpyeong Island, South Korea, Wednesday, Nov. 23, 2011. South Korea marked the first anniversary of North Korea's island attack Wednesday - Sputnik Brasil
Coreia do Sul se prepara para 'provocações' de Pyongyang
No início de abril, Pequim anunciou a restrição do comércio com a Coreia do Norte. Os observadores destacam que a proibição da importação do carvão, ferro, ouro, metais de terras raras e outras matérias-primas pode prejudicar a capacidade militar das Forças Armadas da Coreia do Norte, pois as rendas da venda do ouro e dos metais de terras raras eram dirigidas, na maior parte, para objetivos militares.

O novo pacote de sanções se destina a impedir diretamente a obtenção de ulterior crescimento da potência nuclear de Pyongyang.

Durante muito tempo, a China teve a posição moderada no assunto da regulação da situação na península, considerando que a pressão excessiva pode causar mais aventuras por parte do regime norte-coreano. Mas a negligência por Kim Jong-un dos apelos internacionais se tornou muito provocativo.

Isto, por um lado, fez a China um dos promotores da última resolução da ONU. Por outro lado, com a ausência de canais para o diálogo, Pequim começou manifestando mais energicamente, por quaisquer formas, sua preocupação e explicando os motivos das suas ações. Ultimamente, ela tem feito isso através de contatos diretos com representantes da administração norte-coreana.

Líder norte-coreano Kim Jong Un em Pyongyang (dezembro de 2015) - Sputnik Brasil
Moscou acusa Coreia do Norte de violar resoluções com novo teste (fracassado) de míssil
Provavelmente por esta causa, alguns especialistas falaram sobre o possível amolecimento da posição de Pequim em relação à Coreia do Norte. Entretanto, as sanções introduzidas mostram que a China, apesar das possibilidades que surgiram para o diálogo, continuará solicitando a execução por parte da Coreia do Norte das reclamações da ONU.

A China apela para a desnuclearização da península Coreana e para a solução dos desacordos existentes através do diálogo e consultas.

Por seu turno, analistas militares consideram como séria a ameaça "de um conflito quente" na península. De acordo com apreciações deles, Pequim pode enfrentar um fluxo de refugiados, a contaminação radiológica e a agravação da situação estratégica por causa de desdobramento na região das forças dos EUA.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала