Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

China chama Filipinas a parar com provocações no mar do Sul da China

© Sputnik / Mikhail Fomichev / Abrir o banco de imagensMar do Sul da China
Mar do Sul da China - Sputnik Brasil
Nos siga no
O lado chinês exigiu que o país vizinho pare com as provocações no mar do Sul da China.

Plataforma de petróleo 981, a primeira plataforma de exploração em águas profundas desenvolvida na China, a 320 quilômetros ao sudeste de Hong Kong, no Mar do Sul da China - Sputnik Brasil
China planeja construir plataforma petrolífera de águas profundas no Mar do Sul da China
A China fez a respectiva divulgação após um grupo de jovens ativistas filipinos ter tentado içar a bandeira do seu país num recife rochoso no mar do Sul da China.

De acordo com informações divulgadas pela mídia, no domingo passado (12) vários ativistas de Filipinas, para celebrar o Dia de Independência das Filipinas, tentaram atingir a nado o recife de Huangyan (Scarborough, em inglês) para içar lá a bandeira das Filipinas.

Segundo os ativistas contaram, duas lanças da guarda-costeira chinesa perseguiram e bloquearam o seu barco.

"O recife de Huangyan é um território antigo da China. Nós chamamos o lado filipino a respeitar a soberania da China e a se abster de ações provocativas nesta questão," declarou o representante oficial da chancelaria chinesa, Lu Kang.

Vários países, incluindo a China, o Japão, o Vietnã e as Filipinas, têm desacordos sobre as fronteiras marítimas e zonas de influência no mar do Sul da China e mar da China Oriental.

Cidade de Sansha na ilha de Yongxing, no Mar do Sul da China - Sputnik Brasil
Com a chegada de novo governo, China pretende melhorar as relações com Filipinas
Em janeiro de 2013, as Filipinas apelaram unilateralmente para o Tribunal Internacional do Direito do Mar para resolver uma disputa territorial com a China sobre uma série de áreas no Mar do Sul da China. Mais tarde, o Tribunal Permanente de Arbitragem em Haia decidiu que tem competência para julgar este caso.

As autoridades chinesas recusaram categoricamente tomar parte no processo e preferem resolver a disputa por via bilateral, chamando a ação das Filipinas de "uma farsa política". Além disso, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores chinês, o tribunal internacional não tem competência para resolver disputas territoriais.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала